Publicidade

Correio Braziliense

Garimpeiros invadem terra indígena e matam cacique no Amapá

Prefeita da cidade de Pedra Branca do Amapari afirma que 50 homens fortemente armados ameaçaram os povos nativos


postado em 27/07/2019 20:15

Mulheres e crianças da aldeia indígena Waiãpi precisaram fugir(foto: AFP / Apu Gomes)
Mulheres e crianças da aldeia indígena Waiãpi precisaram fugir (foto: AFP / Apu Gomes)


Garimpeiros armados com metralhadoras invadiram a aldeia indígena Waiãpi, na região de Pedra Branca do Amapari, no Amapá. De acordo com informações de líderes locais, um cacique foi morto durante o conflito. Mulheres e crianças precisaram fugir para outra aldeia, enquanto os homens ameaçam enfrentar os invasores.

Diante do risco de um conflito mais violento, equipes da Polícia Federal e da Polícia Militar do Amapá foram enviados para a região no começo da noite deste sábado (27/7). O trajeto é feito de barco e o acesso a cidade leva cerca de três horas, partindo do centro de Pedra Branca.

De acordo com a prefeita do município, Beth Pelaes, as autoridades foram avisadas por telefone da invasão. "São 50 garimpeiros fortemente armados. Temos a informação de que houve um tiroteio. A PF e o Bope estão a caminho. É uma coisa atípica em nosso estado. Estamos preocupados, pois os índios disseram por telefone que iriam enfrentar os garimpeiros. Orientamos eles a não fazerem isso", disse.

"Ao final da ligação eu fiquei emocionada quando me falaram que uma liderança teria sido morta", disse. De acordo com informações obtidas pelo Correio, a invasão teria ocorrido há dois dias, quando o cacique foi assassinado. Os homens foram para a mata e ameaçaram voltar nesta noite, caso os nativos não tivessem deixado a região. No momento, não haveria conflito. 

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), conta que foi avisado por um vereador, e entrou em contato com o Ministério Público para informar o caso. "Recebi as informações pela manhã, de um vereador da região. Ao longo do dia fui informado que o cacique foi morto a facadas. A região é muito isolada", disse o parlamentar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade