Publicidade

Correio Braziliense

Imagens sugerem inocência de condenado, mas Justiça o mantém preso, em SP

Gabriel Oliveira foi preso em 2018 acusado de roubar o carro de uma aposentada e condenado pelo crime. A família conseguiu imagens de câmeras de segurança que poderiam inocentá-lo


postado em 16/08/2019 19:50 / atualizado em 19/08/2019 18:30

Imagens de segurança sugerem que Gabriel estava em outro local no momento do crime(foto: Reprodução/UOL)
Imagens de segurança sugerem que Gabriel estava em outro local no momento do crime (foto: Reprodução/UOL)
Em 26 de dezembro de 2018, por volta das 14h50, uma aposentada de 65 anos teve o carro roubado na Zona Leste de São Paulo. Em menos de duas horas, a Polícia Militar de São Paulo apresentou dois suspeitos pelo assalto: Gabriel Rubio de Oliveira, 19 anos, e Jhonatan Vinícius da Silva Nobre, 20. Posteriormente, mais especificamente em fevereiro deste ano, ambos foram condenados a mais de cinco anos de prisão.

Entretanto, imagens de câmeras de segurança obtidas pela família e veiculadas pelo portal UOL sugerem que Gabriel estava a mais de 2,5km de distância do local do crime na hora do assalto. Com base nelas, a defesa do rapaz entrou com um recurso, que acabou indefirido na quinta-feira (15/8). A decisão pela manutenção da prisão foi dos desembargadores Hermann Herschander, Walter da Silva e Marco Antonio de Lorenzi, da 14ª Câmara de Direito Criminal. 

As imagens veiculadas pelo site mostram que Gabriel estava dentro de um salão de beleza duas horas antes do crime e, depois, em um suermercado, usando a mesma roupa e acompanhado da namorada, na hora do assalto. O jovem, contudo, foi apontado pela vítima como um dos assaltantes. Já os familiares de Jhonatan, também reconhecido, apontam que ele estava soltando pipa no momento da ação criminosa.

Opiniões divergentes

O procurador Maurício Antonio Ribeiro Lopes disse ao UOL que as imagens não mostram provas suficientes para a liberdade dos jovens, e aponta ainda que o testemunho da vítima também é uma prova. "As imagens juntadas pela defesa não mostram absolutamente nada. Indício é um meio de prova. E temos a vítima que os reconhece em flagrante e em juízo. Não tenho razões para supor que a vítima fez isso com má-fé. Ou as fotos não são do mesmo dia ou da mesma hora em que foram presos”.

O padrasto de Gabriel, responsável por reunir as imagens que mostram o jovem no salão e no supermercado, diz que o enteado é inocente. "Eu estava deitado na cama quando ele chegou do supermercado. Dez minutos depois de ir para a casa da sogra, me veio a namorada correndo chorando (por causa da prisão dele)", disse ao site. A mãe de Gabriel também defendeu a inocência do jovem: "Ele é trabalhador, não tem vício nenhum, sempre trabalhou, nunca fez nada de errado. Está sendo culpado por uma coisa que não fez”.

Os próximos passos da defesa é propor uma revisão criminal no tribunal. Algo que ainda não tem data para ocorrer.

O Correio, por telefone e e-mail, tentou contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo para obter mais detalhes sobre as circunstâncias da prisão. Mas, segundo o órgão, como o caso já foi julgado, as informações estavam restritas ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

O jornal também entrou em contato o tribunal para obter mais informações sobre a condenação. Nesta segunda-feira (19/8), o órgão respondeu ao Correio com uma cópia da decisão assinada pelo desembargador Hermann Herschander.
 
O documento aponta que várias testemunhas, além da vítima, foram ouvidas na decisão, inclusive policiais. O texto ta decisão também apresenta dúvidas perante a credibilidade das imagens: "Tampouco favorecem os acusados as fotografias juntadas aos autos,conforme bem anotou a ilustre Procuradora de Justiça oficiante. Conforme destacado, não foram elas submetidas a perícia oficial. Não há qualquer razão para crer na fidedignidade da data e dos horários que constam das imagens, pois estas facilmente podem ter sido sobrepostas. Aliás, a rasura no horário consignado na fotografia de fls. 301 é grosseira. Mais ainda: a mera visualização ligeiramente atenta dasfotografias, que teriam sido realizadas em momentos muito próximosdurante o suposto trajeto do supermercado à casa da namorada de Gabriel revela que a roupa e o cabelo da mulher que o acompanha, assim como a sacola que ela carrega, mudam de uma para outra imagem".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade