Publicidade

Correio Braziliense

Após 3 horas, homem que sequestrou ônibus na ponte Rio-Niterói é morto

Por volta das 9h, o sequestrador foi baleado por atiradores de elite após descer do ônibus. Os reféns foram libertados ilesos


postado em 20/08/2019 06:37 / atualizado em 20/08/2019 12:29

Passageiros foram feitos reféns em ônibus(foto: Mauro Pimentel/AFP)
Passageiros foram feitos reféns em ônibus (foto: Mauro Pimentel/AFP)
Um homem armado fez passageiros de um ônibus reféns na Ponte Rio-Niterói na manhã desta terça-feira (20/8). O veículo da Viação Galo Branco foi parado pelo sequestrador por volta das 6h da manhã. O trânsito no sentido Rio de Janeiro foi totalmente bloqueado e o congestionamento chegou a 81 km.

Pouco depois das 9h, o sequestrador foi baleado por atiradores de elite. O porta-voz da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro, coronel Mauro Fliess, confirmou que o sequestrador foi morto por atiradores de elite. "A PMERJ informa que foi encerrada a ocorrência com reféns, na Ponte Rio-Niterói. O tomador de refém foi neutralizado por um atirador de precisão do BOPE e todos os reféns foram libertados ilesos", informou no Twitter a corporação.
 
Por volta das 8h30, havia 31 pessoas reféns. Mais cedo, seis passageiros chegaram a ser liberados. As vítimas foram socorridas sem ferimentos, mas em estado de choque. Uma das mulheres saiu do local desacordada. Em um momento de tensão, a polícia pediu para que a imprensa e fotógrafos se afastassem do local.
 
A polícia disse que a arma usada por ele era um simulacro, ou seja, de brinquedo. A ponte permanece interditada. 

 

Em entrevista no local do sequestro após o desfecho do caso, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, parabenizou a ação da polícia, classificada por ele como "exitosa". "(Matar o sequestrador) não era a melhor opção, a melhor era salvar todo mundo. Mas a prioridade era salvar os reféns", afirmou o governador. Witzel ressaltou que o mérito é da polícia, que é "quem sabe como deve agir".

"Agradeço à Polícia Militar, à Polícia Civil, à Polícia Rodoviária Federal e a todos os integrantes do Bope. Algumas vezes a ppopulação não entende o trabalho da polícia, que tem que ser dessa forma. Se a polícia puder fazer o trabalho dela de abater quem está armado com fuzil nas comunidades, a população vai agradecer", continuou o governador cuja política de segurança pública vem sendo alvo de críticas.

O governador ainda contou aos jornalistas que as prioridades agora são a perícia para possibilitar um estudo de caso e a atenção aos reféns e à família do sequestrador.

O sequestro

O homem teria se identificado como policial militar e ordenado que o motorista parasse o veículo e o atravessasse na pista. Ele está com um galão de combustível, um revólver e uma pistola de choque, e ameaça atear fogo no interior do ônibus. Ainda não se sabe qual é a motivação do sequestrador, mas as autoridades acreditam que a ação tenha sido premeditada.

As vítimas estavam com celular dentro do transporte e imagens do interior do ônibus circulam nas redes socais. A televisão transmitia o sequestro ao vivo quando os tiros que o atingiram foram ouvidos, provocando em seguida aplausos da multidão de curiosos presentes no local. 
 
A polícia negociava desde cedo com o sequestrador que, segundo alguns reféns, não feriu nenhuma pessoa, mas ameaçou atear fogo ao ônibus. "Parou o motorista, anunciou que o ônibus seria sequestrado, não pediu as nossas coisas, amarrou nossas mãos e pediu para que fechássemos as cortinas", declarou ao canal Globo News Hans Moreno, um dos reféns. "Ele estava muito calmo, muito tranquilo".

"Pensei que ia morrer", disse Walter Freire, outro refém que concedeu uma entrevista à televisão, visivelmente nervoso. "Graças a Deus a polícia agiu bem", afirmou.  

Ver galeria . 15 Fotos Reprodução/Internet
(foto: Reprodução/Internet )
 

Durante quase quatro horas, dezenas de carros ficaram bloqueados na ponte. Pouco depois das 10H00 o tráfego foi liberado, enquanto as ambulâncias permaneciam ao redor do ônibus.

Antes da ação policial que pôs fim ao sequestro, o presidente Jair Bolsonaro, em sua residência oficial em Brasília, disse a repórteres que concordava com o uso de franco-atiradores. "Não tem que ter pena", disse ele, lembrando casos anteriores semelhantes. 

Rio marcado pela tragédia do ônibus 174 

Há 19 anos, em 12 de junho de 2000, o Rio de Janeiro vivia a tragédia do sequestro do ônibus da linha 174 da Viação Amigos Unidos. A ação de Sandro Barbosa Nascimento foi transmitida ao vivo para todo o país, durou mais de quatro horas e terminou com a morte de uma passageira e do sequestrador.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade