Publicidade

Correio Braziliense

Queimadas na Amazônia superam média histórica para o mês de agosto

Faltando uma semana para o fim do mês, dados do Inpe revelam que a região foi atingida por 25.934 focos de incêndio, acima da média em comparação com registros dos últimos 21 anos


postado em 25/08/2019 20:19

Força Aérea Brasileira (FAB) emprega aeronaves no combate aos incêndios na Amazônia(foto: Ala 6/FAB)
Força Aérea Brasileira (FAB) emprega aeronaves no combate aos incêndios na Amazônia (foto: Ala 6/FAB)
Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe) revelam que o número de focos de queimadas na Amazônia já superam a média história para o mês de agosto dos últimos 21 anos. Até este domingo (25), foram registrados 25.934 focos de incêndio, o que representa uma quantidade ligeiramente acima da média de 25.853.

No entanto, essa distância da média história deve ficar ainda maior, tendo em vista que ainda falta uma semana para o encerramento do mês. A média leva em consideração uma comparação da quantidade de focos registrados na Amazônia entre 1998 e 2008 pelo Programa Queimadas, do Inpe.

O pico de queimadas em agosto ocorreu em 2005, com 63.764 registros. No entanto, desde 2010 ocorreram reduções e a quantidade de focos não passava de 22 mil. Desde o começo do ano, foram registrados 79.513 focos de incêndio em todo o país desde 1º de janeiro até o sábado (24/08). No mesmo período do ano passado, foram 43.678. Além da Amazônia, o Cerrado, a Caatinga e a Mata Atlântica também sofrem com incêndios.

O governo utiliza 43 mil homens do Exército e duas aeronaves Hércules C-130, da Força Aérea Brasileira, no combate as chamas na Região Norte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade