Publicidade

Correio Braziliense

No último dia no cargo, Dodge denuncia delegado da PF e conselheiro do TCE

Ela também pediu a federalização das investigações no caso Marielle Franco. Se aceito pelo STJ, caberá à Justiça Federal, e não mais ao Judiciário local a condução da investigação


postado em 17/09/2019 18:40 / atualizado em 17/09/2019 20:30

(foto: Arquivo/Agência Brasil)
(foto: Arquivo/Agência Brasil)
No último ato como procuradora-geral da República, Raquel Dodge denunciou um delegado da Polícia Federal e um conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro por obstruir as investigações sobre os assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Também entraram na lista de Dodge um suspeito de integrar milícia e uma advogada.

 

Em entrevista coletiva no início da noite desta terça-feira (17/9), Dodge disse que pediu a abertura de investigação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para saber se o mandante do assassinato da vereadora foi Domingos Brazão, conselheiro afastado do TCE. Ela também pediu a federalização das investigações.

O caso  

A vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSol) foi assassinada em 14 de março do ano passado, com o motorista Anderson Gomes. O carro  em que estavam foi alvejado por vários tiros. A vereadora voltavapara casa de um evento quando foi atingida.

 

Respondem pelos homicídios os ex-policiais Ronnie Lessa (reformado) e Élcio Queiroz (expulso da Polícia Militar do Rio de Janeiro), presos em 12 de março deste ano. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade