Publicidade

Correio Braziliense

Criminosos usam pombo morto para esconder celular em presídio de MG

De acordo com agentes penitenciários, bandidos jogaram o corpo da ave dentro da unidade prisional em Montes Claros. Dentro dele estava um celular e seis chips


postado em 18/09/2019 14:45

Agentes retiraram um celular e seis chips da carcaça da ave (foto: Reprodução/Internet)
Agentes retiraram um celular e seis chips da carcaça da ave (foto: Reprodução/Internet)
Bandidos inovaram ao tentarem a entrada de um telefone celular e seis chips no Presídio Alvorada, em Montes Claros, Norte de Minas. Na madrugada desta quarta-feira (18/9), os agentes prisionais perceberam que um pombo caiu em cima da tela que cobre o pátio do banho de sol na unidade.  

Quando tentaram remover o pombo, os agentes constataram que o animal estava morto e com uma perfuração. O peso da ave também chamou atenção. Os agentes penitenciários acabaram descobrindo que as vísceras do rombo tinham sido arrancadas e no lugar delas estavam escondidos o aparelho celular e seis chips. 

O fato ocorreu por volta de 0h30 e foi confirmado, por meio de nota, pela Secretaria de Estado de Segurança de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). A pasta informou que  a unidade segue a sua rotina sem alterações. Até o momento,  não foram identificados os autores do arremesso do material da área externa para o pátio do Presídio Alvorada.

Pombo foi encontrado no início da madrugada(foto: Reprodução/Internet)
Pombo foi encontrado no início da madrugada (foto: Reprodução/Internet)
O diretor geral do Departamento Penitenciário de Minas Gerais, da Sejusp, Pública, Rodrigo Machado, salienta que os  criminosos estão cada vez mais audaciosos. "Os nossos agentes estão mais atentos com cada detalhe nas unidades prisionais. Neste caso, o olhar cuidadoso da equipe para perceber que o pombo não é uma ave de hábito noturno e notar a presença do animal de madrugada na tela, foi o que permitiu a apreensão dos ilícitos”, destaca Machado. 

“Trabalhamos diariamente para coibir a entrada desses objetos nas nossas unidades. Temos equipes preparadas para atuar e impedir cada vez mais a presença de ilícitos no interior das celas", acrescentou o diretor do Departamento Penitenciário.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade