Publicidade

Correio Braziliense

Pai pede socorro após filho ter pênis amputado em cirurgia de fimose

O caso foi parar na polícia e uma vaquinha online levanta recursos para garoto passar por procedimento reparador


postado em 17/10/2019 09:09 / atualizado em 17/10/2019 10:42

O pai afirma que chegou a questionar o médico responsável pelo procedimento, que não admitiu o erro(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
O pai afirma que chegou a questionar o médico responsável pelo procedimento, que não admitiu o erro (foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
“O caso é complexo e ainda não sei quanto será o custo. Não temos recursos, mas estamos correndo atrás e esperamos contar com ajuda de um especialista para a recuperação do meu filho”. O apelo foi feito na noite desta quarta-feira (16/10), em entrevista ao Estado de Minas, pelo pai de um menino de 3 anos que teve o pênis amputado durante uma cirurgia de fimose realizada no Hospital Municipal Dr. Carlos Marx, em Malacacheta, no Vale do Rio do Doce, ao leste de Minas Gerais.

Foi iniciada uma campanha na internet para arrecadar recursos para a cirurgia reparadora na criança. O pai, afirma que o filho foi vítima de erro médico. O caso é investigado por meio de inquérito policial, presidido pela delegada Mariana Grassi Ceolin, da delegacia de Polícia Civil de Teófilo Otoni, que responde pela comarca de Malachacheta.

O pai informou que, nesta quinta-feira (17/10), vai levar o menino a Teófilo Otoni para exame de corpo de delito, procedimento da investigação.

O médico responsável pela cirurgia na criança morreu dois dias após o procedimento, realizado em 16 de setembro. A causa da morte teria sido infarto, segundo o pai da criança. “Mas, queremos que todos os envolvidos sejam responsabilizados. O corporativismo dentro de um hospital não pode sobrepor à vida e à dignidade do ser humano”, cobra o estudante de agronomia.

Em entrevista, nesta semana, a delegada Mariana Grassi declarou que o inquérito para apurar o caso foi aberto a pedido do Ministério Publico Estadual. Ela informou que recolhe documentos e que ainda não iniciou a fase de depoimentos.

Informou, ainda, que vai apurar se a responsabilidade do caso foi do médico que morreu ou se houve o envolvimento de outros profissionais.

O estudante relatou que, há aproximadamente um ano, separou da ex-mulher e a criança ficou com ele e com a avó da criança. Ele disse que, por orientação médica, o menino precisou passar por uma cirurgia, agendada pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Ele conta que a cirurgia durou quatro horas. E, quando o procedimento terminou, a criança reclamava de muita dor e tontura. Também notou que os lençóis estavam ensanguentados. Foi aí que percebeu que o órgão do garoto tinha sido decepado.

O pai afirma que chegou a questionar o médico responsável pelo procedimento, que não admitiu o erro. “Ele falou que eu tinha assinado um termo, reconhecendo que a cirurgia tinha riscos e que tinha tirado a pele... E que dentro de 10 dias começaria a desinchar e que o pênis (do menino) começaria a 'aparecer' e meu filho ficaria bem”, relatou.

Ele informou que, na madrugada seguinte, levou o filho para o município de Teófilo Otoni, onde a criança foi examinada por um pediatra e por um urologista. Na sequência, o menino passou por uma avaliação médica mais detalhada no Hospital Santa Rosália, onde foi constada a amputação do órgão genital.
 
O estudante  disse que, ainda em Teofilo Otoni, um especialista medicou a criança com um antibiótico para evitar infecção e medicamentos para dor e realizou a reconstrução do coto.

O pai diz que, agora, passado um mês do procedimento e do suposto erro médico, o menino está bem. Mas, além do desejo da apuração do caso, sua luta agora é encontrar um especialista que possa fazer a reconstrução do pênis da criança.

O estudante de agronomia disse que buscou ajuda com conhecidos e encontrou um médico em Salvador (BA) que faz a cirurgia do caso indicado. “Mas, estamos procurando outros especialistas, não só em Salvador, como também em Belo Horizonte e São Paulo”, afirmou.

Ele também declarou que ainda não sabe que tipo de procedimento será feito – se necessária uma prótese, por exemplo. Por isso, ainda não estimulou meta de valor a ser arrecadado pela “vaquinha eletrônica” na internet. “Por enquanto, estamos pesquisando e procurando respostas em relação ao custo e ao próprio procedimento”, disse o pai. Até ás 10h desta quinta-feira, a campanha eletrônica arrecadou pouco mais de R$ 25 mil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade