Publicidade

Correio Braziliense

Após desmentido, Bolsonaro apaga tuíte sobre saída de empresas da Argentina

Presidente havia usado o Twitter para comemorar que MWM, Honda e L'Óreal fecharam fábricas no país vizinho para se instalar no Brasil


postado em 06/11/2019 14:59 / atualizado em 06/11/2019 15:08

(foto: Marcos Correa/PR)
(foto: Marcos Correa/PR)
O presidente Jair Bolsonaro publicou, na madrugada nesta quarta-feira (6/11), em sua conta oficial do Twitter, que três empresas estariam deixando a Argentina para abrir fábrica no Brasil. As multinacionais — MWM, Honda e L'Óreal —, no entanto, desmentiram a afirmação do chefe do Palácio do Planalto, o que fez com que ele excluísse o conteúdo horas depois.

 

"MWM, fábrica de motores americanos; a Honda, gigante de automóveis; e a L’Óreal anunciaram o fechamento de suas fábricas na Argentina e instalação no Brasil", havia escrito Bolsonaro. "A nova confiabilidade do investidor vem para gerar mais empregos e maior giro econômico em nosso país", acrescentou o presidente.

 

A notícia repercutiu na mídia argentina, que recebeu as manifestações de cada uma das empresas citadas por Bolsonaro. Ao jornal Clarín, a Honda respondeu que "não está fechando a fábrica na Argentina, mas, sim, manterá as operações no país como estava previsto". "A partir de 2020, concentrará a produção na linha de motocicletas. A divisão de automóveis também continuará no país com os modelos provenientes do exterior", informou a montadora.

 

A fábrica de motores norte-americana MWM, apesar de ter fechado em setembro a filial que mantinha em Córdoba, respondeu que manterá no país o serviço de assistência técnica e a distribuição de peças de reposição. Ela negou que tenha planos de se transferir para o Brasil.

 

Por sua vez, a L'Óreal afirmou não ter previsto o fechamento de nenhuma fábrica na Argentina, visto como um mercado estratégico para a empresa. À agência Reuters, a multinacional informou que produz na Argentina mais de 40 milhões de unidades por ano em sociedade com um produtor local e não tem intenção de fazer qualquer mudança.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade