Publicidade

Correio Braziliense

Mulheres são maioria entre os jovens que não trabalham e nem estudam

Apesar de mais escolarizadas a proporção de jovens mulheres (28,4%) é maior do que de homens (17,6%) que não estudavam e não estavam trabalhando em 2018


postado em 06/11/2019 15:00 / atualizado em 06/11/2019 15:10

Um pacote de medidas que estimulará a contratação de jovens, por exemplo, deve ser lançado em breve(foto: Marilia Lima/Esp. CB/D.A Press)
Um pacote de medidas que estimulará a contratação de jovens, por exemplo, deve ser lançado em breve (foto: Marilia Lima/Esp. CB/D.A Press)
As mulheres são maioria entre os 10,9 milhões de jovens de 15 a 29 anos do país que não estudavam e nem estavam ocupados em 2018. Enquanto 28,4% das jovens mulheres não trabalhavam nem estudavam, 17,6% dos homens estavam na mesma situação. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (6/11) na Síntese de Indicadores Sociais (SIS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O grupo que não está no mercado de trabalho e não estuda representa 23% da população dessa faixa etária no país (veja a situação dos jovens do Brasil abaixo). No último mês, o secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, informou algumas medidas econômicas com foco nos jovens seriam anunciadas. 

Um pacote de medidas que estimulará a contratação de jovens, por exemplo, deve ser lançado em breve. Entre os recortes feitos, é possível ver que a desigualdade também está presente. O maior número de jovens que não estudavam e nem estavam ocupados está na fatia da população com os menores rendimentos domiciliares per capita. 42,3% dos jovens deste grupo estavam nesta situação em 2018.

Pelo recorte racial uma desigualdade chama atenção. As mulheres negras ou pardas tinham o dobro de chances de estarem sem estudar ou sem ocupação quando comparada a homens brancos. 

Situação dos jovens de 15 a 29 anos no Brasil em 2018 

Total de jovens = 47,3 milhões

- 13,5% estudavam e estavam ocupados 
- 28,6% não estavam ocupados, mas estudavam 
- 34,9% estavam ocupados e não estudavam
- 23% não estavam ocupados e não estudavam 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade