Publicidade

Correio Braziliense

Jovens do Fla dedicam tetra às vítimas do incêndio no Ninho

Lazaro e Daniel Cabral, fundamentais no título, contaram a emoção de representar os amigos vitimados na tragédia


postado em 17/11/2019 23:07

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

Além da alegria pelo título da Copa do Mundo Sub-17, o título tem um gosto ainda mais especial para Daniel Cabral e Lázaro, jogadores do Flamengo que foram peças fundamentais na conquista. Para eles, a taça não era apenas sobre a glória de escrever o nome na história da Seleção Brasileira, mas de honrar os 10 meninos do Ninho que perderam a vida na tragédia de 8 de fevereiro.

Lázaro, herói do título, afirmou que jogar por esses meninos não foi apenas no Mundial, mas um propósito que levará para a vida. “Jogar por esses moleques vai ser para o resto da minha vida. Na hora que eu estava no banco, me veio à cabeça o Rykelmo, um parceiro que, antes de tudo aquilo acontecer, brincava comigo. E esse é um momento que eu vou levar para o resto da vida.”

Quando marcou o gol do título, no final da partida, se sentiu abençoado pelos meninos que perderam a vida. “Hoje eu sei que todos esses estão lá no céu. E eles me abençoaram, eles empurraram ali o golzinho”, contou. “Eu falei que cada gol meu seria para eles, então dedico esse para eles também.”

Outro que colocou os meninos do Ninho na ponta da chuteira foi o volante Daniel Cabral, que afirmou, desde o início do Mundial, que também jogaria por eles.

“Me sinto realizado porque acho que, dentro de campo, consegui representá-los muito bem. Pude levar toda a vontade deles, todos os sonhos deles para dentro de campo e sair com esse título maravilhoso. Queria dedicar a todos eles, às família dos 10”, relatou Daniel, emocionado. “Rykelmo, Jorge, todos os meninos, dedico esse título a todos vocês.”

O volante rubro-negro, que só não esteve envolvido na tragédia porque estava arrumando as coisas, em casa, para jogar o Sul-Americano Sub-17, homenageará o amigo Rykelmo, colocando a chuteira dele na estante. “Ele merece um lugarzinho bem especial dentro da minha casa”, concluiu.




O caso



O incêndio no Ninho do Urubu, alojamento do Flamengo, vitimou 10 pessoas e deixou três feridos entre 14 e 17 anos de idade. A tragédia começou por volta de 5h da manhã de 8 de fevereiro deste ano. Os atletas que ali estavam moravam longe de suas família e moravam nos contêineres disponibilizados pelo clube. Foi revelado que o projeto onde o alojamento se encontrava era para ser um jardim e um estacionamento.

Na época da tragédia, Wilson Witzel decretou luto oficial de três dias no Rio de Janeiro. Partidas do Campeonato Carioca foram adiadas e a tragédia foi notíciaria durante uma semana no Brasil e no Mundo.

As vítimas fatais foram: Athila Souza Paixão, 14 anos; Arthur Vinícius de Barros Silva Freitas, 15 anos; Bernardo Pisetta, 14 anos; Christian Esmério, 15 anos; Gedson Santos, 14 anos; Jorge Eduardo Santos, 15 anos; Pablo Henrique da Silva Matos, 14 anos; Rykelmo de Souza Viana, 17 anos; Samuel Thomas Rosa, 15 anos; Vitor Isaías, 15 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade