Publicidade

Correio Braziliense

Mãe detida por matar filho arranca um dos olhos em centro de detenção

Mulher jogou o olho esquerdo no ralo do banheiro da cela; depois, tentou arrancar o direito


postado em 18/11/2019 19:44

Após arrancar o olho, a mulher foi levada para um hospital em Goiânia(foto: Reprodução/Fundação Banco de Olhos)
Após arrancar o olho, a mulher foi levada para um hospital em Goiânia (foto: Reprodução/Fundação Banco de Olhos)
Uma mulher, em desespero, arrancou o olho esquerdo com as mãos e perdeu a visão do direito, após ser detida por matar o próprio filho.
 
O caso aconteceu no sábado (16/11), na cidade de Rio Verde (GO), a 232 km de Goiânia, capital do Estado. A mesma mulher já era investigada pela morte de um recém-nascido. À época do crime, ela afirmou às autoridades que teria “deitado em cima do bebê”.

O crime

Na madrugada da última quinta-feira (14/11), a mulher chamou a polícia após matar o filho, de seis anos, em Santa Helena, Região Sudoeste do estado. 

Em depoimento ela confessou o assassinato depois de ter um “ataque de fúria”, porque a criança se recusava a limpar a casa por volta de 4h30 da manhã. Quando os policiais chegaram, ela estava no quintal colocando fogo nas roupas do menino.

A criança teve uma fratura no pescoço e ficou muito machucada. Exames estão sendo feitos pelo Instituto Médico Legal (IML) para descobrir a causa da morte do menino. 

O pai do garoto também foi ouvido pela Polícia Civil e até o momento não é suspeito de envolvimento no crime. 
 
Olho no ralo 

Depois de dois dias detida pelo crime no Centro de Inserção Social (CIS) de Rio Verde, interior de Goiás, a mulher teve um novo ataque e arrancou o olho esquerdo com as unhas. Em seguida, jogou o olho no ralo do banheiro da cela e tentou arrancar o direito, quando foi imobilizada por policiais.

A mulher foi encaminhada à Fundação Banco de Olhos, em Goiânia. A cirurgia para salvar a visão do olho direito não teve sucesso e ela ficou cega. Agora, aguarda vaga para internação psíquica. 

Em nota, a Diretoria-Geral da Administração da Penitenciária (DGAP), informou que a detenta estava sozinha na cela quando se feriu e apresentou alterações psicológicas e emocionais. 

A mulher também é mãe de um recém-nascido, que foi encaminhado para Casa de Acolhimento pelo Conselho Tutelar da cidade. O bebê está em posse do Juizado da Infância e Juventude e ainda não foi entregue para familiares. 

 
*Estagiária sob supervisão do editor Benny Cohen

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade