Publicidade

Correio Braziliense

Família de gerente de banco é sequestrada; PM impede entrega de dinheiro

Inicialmente, a informação era de que criminosos mantinham funcionários de agência reféns, mas na verdade tratava-se de mais um crime do sapatinho. Parentes da gerente foram libertados na BR-381


postado em 13/12/2019 13:17

Movimentação de policiais no entorno da agência bancária nesta sexta (foto: DeFato/Divulgação)
Movimentação de policiais no entorno da agência bancária nesta sexta (foto: DeFato/Divulgação)
Mais uma gerente de banco foi vítima do chamado “crime do sapatinho” em Minas Gerais. Desta vez o caso ocorreu em Itabira, na Região Central do estado, e mobilizou policiais militares na manhã desta sexta-feira (13/12). Os criminosos teriam fugido sem levar dinheiro, e a família da funcionária foi libertada na Grande BH.

 

Informações extraoficiais dão conta que, por volta das 9h40, a PM recebeu a denúncia de que a família da gerente do Sicoob na Rua Jucá Machado, no Centro do município, havia sido sequestrada. Os policiais da cidade cercaram o banco e a casa da funcionária. 

 

A movimentação de viaturas assustou quem passava pela região. Informações iniciais davam conta de que seis criminosos estavam no local rendendo funcionários, o que não se confirmou. Ao chegar à agência, o comandante de policiamento viu a gerente sair do imóvel acompanhada de funcionários com caixas nas mãos. Questionada, ela disse que entregaria o dinheiro aos assaltantes que mantinham a família dela refém

 

A mulher teria sido rendida ao chegar em casa na noite da quinta-feira. Ela, o marido e dois filhos ficaram em poder dos criminosos até de manhã, quando os bandidos se dividiram e levaram os parentes dela. Os criminosos ordenaram que ela fosse à agência pegar o dinheiro do resgate, e depois entregasse o valor a eles em uma rua vicinal. No entanto, a chegada da PM ao banco impediu o plano. Os policiais vistoriaram a agência e não encontraram nenhum bandido. 

 

Ainda segundo informações do local, a família da gerente foi deixada em um posto de combustíveis na BR-381, em Santa Luzia, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Até o momento, os criminosos não foram localizados.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade