Publicidade

Correio Braziliense

Casos de pessoas afetadas por cerveja em Minas Gerais sobe para 10

Além disso, segundo a Polícia Civil, os consumidores devem entregar as cervejas do rótulo Belorizontina exclusivamente para a vigilância sanitária de BH


postado em 10/01/2020 18:16

Polícia Civil esteve na sede da cervejaria Backer, na tarde desta quinta-feira, em Belo Horizonte(foto: Juarez Rodrigues/EM/D. A. Press)
Polícia Civil esteve na sede da cervejaria Backer, na tarde desta quinta-feira, em Belo Horizonte (foto: Juarez Rodrigues/EM/D. A. Press)
Subiram para 10 os casos de pessoas com síndrome nefroneural ligada ao Bairro Buritis, na Região Oeste de Belo Horizonte. A informação foi divulgada pela força-tarefa criada para lidar com a situação na tarde desta sexta-feira (10/1). Antes do comunicado desta sexta, oito pessoas eram acometidas pela mazela. Uma delas morreu.  
 
Especialista esclarece dúvidas sobre o uso de dietilenoglicol em cervejarias, assista
Ainda de acordo com a corporação, até o momento, três pacientes internados passaram por exames sanguíneos para verificar a presença do composto orgânico dietilenoglicol. 
 
A corporação também disse que os consumidores devem entregar as cervejas do rótulo Belorizontina exclusivamente para a vigilância sanitária de BH. 
 
O comunicado acontece um dia depois da Polícia Civil e o Ministério Público, por meio do Procon, informarem que o composto orgânico dietilenoglicol, também conhecido como éter de glicol, foi encontrado dentro de garrafas da cerveja Belorizontina da Backer. 


Em caso de ingestão, a substância causa efeitos compatíveis aos sintomas sentidos pelos sete pacientes internados nos hospitais da capital mineira e sua Região Metropolitana. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade