Publicidade

Correio Braziliense

VÍDEO: Brasileiros em Wuhan pedem auxílio de Bolsonaro para deixar a China

Entre homens, mulheres, adultos e crianças, cerca de 15 brasileiros aparecem no vídeo lendo trechos de uma espécie de carta-aberta


postado em 02/02/2020 11:52 / atualizado em 02/02/2020 14:12

(foto: Reprodução/Youtube)
(foto: Reprodução/Youtube)
Um grupo de brasileiros gravou um vídeo, publicado neste domingo (2/2), na plataforma Youtube, demandando ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ajuda. "Escrevemos-lhes esta carta para solicitar o auxílio do governo brasileiro no retorno ao nosso país", fala um deles na carta. 

 

Entre homens, mulheres, adultos e crianças, cerca de 15 brasileiros aparecem no vídeo lendo trechos de uma espécie de carta-aberta, na qual eles lembram as operações de evacuação já feitas por outros países, como Alemanha e Estados Unidos, e dizem estar dispostos a passar pelo período de quarentena fora do território chinês. Ao longo dos seis minutos de vídeo eles também apontam a colaboração logística que o governo chinês tem oferecido a essas operações.

 

A carta-aberta datata de 30 de janeiro, todos seus signatários são brasileiros e afirmam estar em Wuhan, epicentro do coronavírus. Eles reforçam que apesar do pedido de retirada, nenhum deles teve a doença comprovada ou sequer os sintomas de infecção.

 



Bolsonaro se diz "muito preocupado" com a contaminação do coronavírus e a possibilidade de a doença, que já causou 304 mortes na China, chegar ao País mas, ao menos por enquanto, o governo rejeita a possibilidade de enviar aviões da Força Aérea à China.

 

Até agora, o Brasil tem apenas casos suspeitos, mas nenhuma confirmação de contaminação por coronavírus. Para o governo, porém, isso é uma questão de tempo e, dependendo da gravidade, pode demandar até mesmo decretação de calamidade pública - situação que permitiria a adoção de medidas extraordinárias.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade