Publicidade

Correio Braziliense

Resgate de brasileiros em Wuhan começa hoje ao meio-dia

Jatos reservas da Presidência deixam Brasília para buscar um grupo que, por enquanto, é de 29 pessoas. Expectativa de chegada a Wuhan, na China, é na sexta-feira. Brasileiros devem desembarcar sábado, direto em Anápolis


postado em 05/02/2020 06:00 / atualizado em 05/02/2020 09:24

Ministros Azevedo e Silva e Araújo deram detalhes da logística para trazer os brasileiros, que ficarão isolados por, no mínimo, 14 dias, em observação(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Ministros Azevedo e Silva e Araújo deram detalhes da logística para trazer os brasileiros, que ficarão isolados por, no mínimo, 14 dias, em observação (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Após a 27ª reunião de Conselho, o governo decidiu enviar nesta quarta-feira (5/2) para a cidade de Wuhan, na China, dois aviões VC2 Embraer 190 para o resgate dos brasileiros que desejam voltar ao Brasil, fugindo da contaminação do coronavírus. A viagem começa ao meio-dia, com previsão de chegada na cidade chinesa na madrugada de sexta-feira. A expectativa é de que os voos retornem ao país na manhã de sábado, com desembarque direto na Base Aérea de Anápolis, da Força Aérea Brasileira (FAB), onde o grupo ficará em quarentena.

A unidade militar em Goiás foi o local escolhido para receber os repatriados, que poderão ser divididos em até três grupos: branco, amarelo e vermelho. O período de quarentena será de 14 dias, com margem de segurança de 18 dias, conforme explicou o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.“Fizemos o reconhecimento hoje (nesta terça-feira — 4/2) com os ministérios da Saúde, da Defesa e das Relações Exteriores a dois locais, e ficou decidido que a quarentena será feita na base aérea de Anápolis, que tem boas condições. E até chegarem os brasileiros, ficará melhor ainda dentro das condições sanitárias e de saúde que os protocolos estipulam. A base é uma área grande que as Forças Armadas possui e tem condição de aqueles brasileiros que chegarem, entrarem numa quarentena numa área branca, aqueles que não têm sintomas”, observou.

O ministro da Defesa disse ainda que “qualquer problema, temos ainda condição de passar para a área amarela, todos com apartamentos individuais e, caso necessário, para uma área vermelha, que será uma evacuação aeromédica para o hospital das Forças Armadas, em Brasília”. Ele salientou que aqueles que apresentarem sintomas de estarem contaminados serão barrados no embarque ainda na China.

Capacidade

As aeronaves são parte da reserva do presidente Jair Bolsonaro e foram cedidas pela Presidência da República. O número inicial de resgatados é de 29 pessoas, sendo sete crianças. Há ainda quatro parentes chineses entre eles.

“O presidente Jair Bolsonaro concordou em ceder suas duas aeronaves reservas, com capacidade de 30 passageiros cada uma. Foi um gesto do presidente abrir mão da aeronave, tendo em vista a precariedade dos meios que a Força Aérea atualmente tem, e da burocracia e também da questão do custo”, destacou Azevedo e Silva.As aeronaves partirão da Base Aérea de Brasília e realizarão o seguinte trajeto: Fortaleza; Las Palmas, nas Ilhas Canárias, território espanhol no Oceano Atlântico; Varsóvia, na Polônia; Ürümqi, na China; e, em seguida, Wuhan. Ao todo, são 36 lugares na parte traseira do avião que contemplam mais seis vagas de apoio médico, composta por uma equipe de profissionais de saúde do Instituto Aeroespacial da FAB.

Questionado sobre o uso de dois aviões diante do número de resgatados, Azevedo e Silva destacou que “quanto mais espaçado deixar os passageiros brasileiros, melhor, porque diminui a possibilidade de contato. Então, se tivermos 15 em uma (aeronave) e 15 na outra, é o ideal”.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ressaltou que os brasileiros que retornarão devem estar conscientes de que terão que cumprir quarentena, para que não haja risco de contaminação no país. E apontou ser “essencial” que os brasileiros que desejam retornar mantenham contato com a Embaixada em Pequim.“Têm alguns brasileiros que não querem retornar, mas é importante saber que haverá um prazo de 24 horas antes do embarque para decidir a lista dos que querem embarcar no avião, e comunicar a decisão”, observou o chanceler. 

Araújo ainda prometeu encontrar uma solução para estudantes brasileiros bolsistas que voltarem. “Eles perguntaram sobre as bolsas a estudantes chineses, se podemos estender bolsas de estudos. Vamos ver como podemos fazer isso para ajudar, para que não percam pelo fato de voltar ao Brasil. Tudo isso vamos tratar na medida das nossas possibilidades”, concluiu, acrescentando que dois diplomatas da Embaixada em Pequim serão enviados para auxílio aos brasileiros no embarque de volta.

Plano de voo

» Fortaleza (CE)
» Las Palmas, nas Ilhas Canárias, território espanhol no Oceano Atlântico; 
» Varsóvia (Polônia) 
» Ürümqi (China) 
» Wuhan (China)

Base foi erguida para proteger Brasília

Distante aproximadamente 160 km de Brasília, a Base Aérea de Anápolis – Otávio Lage de Siqueira (BAAN) é a escolha mais lógica para receber os brasileiros que serão trazidos de Wuhan, pois fica próxima do Hospital das Forças Armadas, que fica próximo ao setor Sudoeste. A unidade da Força Aérea Brasileira tem como função primordial a defesa aérea da capital.

Anápolis é a primeira unidade planejada e construída especialmente para receber um tipo específico de avião, os caças Mirage IIIE/D, que chegaram na década de 1970 e já foram retirados de serviço. A operação desses aviões exigia a construção de um ambiente inteiramente novo e capacitado a operar jatos supersônicos.

A construção das instalações começou em 9 de fevereiro de 1970 e tornou-se operacional em 23 de agosto de 1972, com a conclusão da pista de pouso. Por questões estratégicas, foi decidido que a nova base, que tem 16 mil hectares (160 km²), seria nas proximidades de Brasília, com os Mirage destinados primordialmente à defesa da capital. Tem duas pistas, uma 2.233 metros e outra de 3.300 metros.

Atualmente, operam em Anápolis as seguintes unidades da Força Aérea Brasileira (FAB): 1º Grupo de Defesa Aérea (1º GDA), o Esquadrão Jaguar, com aeronaves Northrop F-5EM (F-5 Modernizado) e Gripen NG (cujos primeiros exemplares começam a chegar ano que vem); o 2º Esquadrão do 6º Grupo de Aviação (2º/6º Gav); o Esquadrão Guardião, com aeronaves E-99 (Embraer EMB-145 AEW&C) de alerta antecipado e R-99 (Embraer EMB-145 RS/AGS) de sensoriamento remoto; 1º Esquadrão do 6º Grupo de Aviação (1º/6º GAv), o Esquadrão Carcará, uma das unidades de reconhecimento, com aeronaves R-35A (Gates R-35A Learjet) — remanejado de Recife como projeto de renovação da FAB.

Mas, ao contrário do que disse o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a base não recebeu as vítimas do acidente com o césio 137 — cujo acidente e contaminação aconteceu em 1987 — e, portanto, não tem qualquer experiência com quarentenas. De acordo com nota emitida pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), a unidade “não foi utilizada para isolamento/tratamento dos pacientes do acidente”.

“Todos os pacientes foram isolados no 3º andar do antigo Hospital-Geral do Inamps (atual Hospital Alberto Rassi)”, em Goiânia, segundo o texto. E acrescenta: “parte dos pacientes foram transportados e atendidos no Hospital Marcílio Dias (que pertence à Marinha do Brasil), na cidade do Rio de Janeiro, hospital de referência para tratamento de radioacidentados”. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade