Publicidade

Correio Braziliense

Após autorização de Bolsonaro, 2,5 mil soldados patrulham ruas de Fortaleza

Além do Exército Brasileiro, 300 agentes da Força Nacional estão na cidade para reforçar a segurança


postado em 21/02/2020 21:46 / atualizado em 21/02/2020 21:54

(foto: José Cruz/ agência brasil )
(foto: José Cruz/ agência brasil )
Um efetivo de 2.500 agentes do Exército ocupam, atualmente, as ruas da capital cearense. A decisão do presidente Jair Bolsonaro em decretar a Garantia de Lei e Ordem (GLO) no Ceará ocorreu logo após a solicitação do Governador do Estado, Camilo Santana (PT-CE), divulgada no dia em que o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado, no município de Sobral, distante cerca 270 quilômetros de Fortaleza.

 

Além do Exército Brasileiro, 300 agentes da Força Nacional estão em Fortaleza para reforçar a segurança. 

 

Durante toda esta sexta-feira, 21, a cúpula da Segurança Pública do Estado se reuniu com senadores cearenses e de demais estados brasileiros para discutir como será a atuação do Exército e das Forças Armadas na capital e em cidades do interior.

 

Entre os membros da reunião, estavam o comandante da 10° Região Militar, General Cunha Mattos, o Secretário de Segurança Pública, André Costa, os senadores Tasso Jereissati, Eduardo Girão, Elmano Férrer e Major Olímpio. "A segurança do Ceará não está mais nas mãos do Governo. Nosso papel aqui é de colaborar. Viemos trazer nossa solidariedade a essa Garantia de Lei e Ordem Somos uma força amiga de colaboração. A posição do exército brasileiro não é de confronto e sim de solução. O foco na missão é a garantia de segurança da população", justificou Major Olímpio.

 

O comandante da operação, General Cunha Mattos, conduziu a reunião e deu as linhas gerais da GLO para os órgãos e instituições envolvidos. Toda a operação da segurança pública está sob comando das Forças Armadas e dos órgãos de segurança pública federais, estaduais e municipais.

 

Major Olímpio disse ainda que, na noite de quinta-feira, 20, houve uma reunião com o governador Camilo Santana e que uma proposta foi apresentada às tropas, mas ainda não foi aceita. "A liderança foi clara em nos dizer: 'por nós continuamos no movimento'. Foram mais de 3 horas de conversa. Eles fizeram a assembleia e decidiram por ficar", disse.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade