Brasil

Mangueira traz Jesus Mulher, interpretada pela rainha da bateria

Samba-enredo 'A verdade vos fará livre', da atual campeã do carnaval carioca, leva à Marquês do Sapucaí as várias faces de Cristo

Simone Kafruni
postado em 24/02/2020 00:27
 (foto: WILTON JÚNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO)
(foto: WILTON JÚNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO)
um desfile de carnavalTerceira a desfilar no primeiro dia do Grupo Especial do carnaval do Rio de Janeiro, a Estação Primeira de Mangueira, campeã do carnaval de 2019, arrebatou a Marquês do Sapucaí com o contundente samba-enredo A verdade vos fará livre, sobre Jesus e as polêmicas provocadas por ele. O carnavalesco Leandro Vieira levou à avenida as várias faces de Cristo, e Evelyn Bastos, rainha da bateria, interpretou Jesus mulher. Com 19 alas e cinco carros, a Mangueira desfilou com 4 mil componentes, bem mais do que a maioria das agremiações.
Veja imagens do desfila da 1; noite do grupo especial do carnaval do Rio de Janeiro:
[FOTO1545893]

Com um carro representando uma favela, os passistas interpretaram figura de Jesus como é representada hoje, ressuscitando no morro. Acompanhado da porta-bandeira Squel Jorgea, o mestre-sala Matheus Oliveira representou o Jesus negro. Um cortejo multirracial marcou a entrada da ala dos três reis magos à avenida, acompanhados pela estrela guia. Com apoio da arquibancada, a Mangueira desfilou disposta a conquistar o bicampeonato.

Antes, a Unidos do Viradouro não poupou esforços para lutar pelo título. O desfile impressionou, mas, na comissão de frente, a vermelho e branco precisou encontrar uma alternativa para driblar a crise de abastecimento de água que assola o Rio desde o início do ano. Na abertura da homenagem ao grupo ;Ganhadeiras de Itapuã;, surge um aquário de 750 mil litros no qual uma nadadora de nado sincronizado encanta o público com movimentos submersos. Isso só foi possível porque a escola contratou dois caminhões pipa com água mineral.

Ao abrir a primeira noite de desfiles, a Estácio, que voltou ao Grupo Especial este ano, fez o possível para fugir de novo rebaixamento. Com o enredo Pedra, a carnavalesca Rosa Magalhães driblou a dificuldade financeira para construir uma bonita apresentação, em seu 50; desfile. No entanto, os carros pecaram pela irregularidade, alguns bem mais pobres que os outros. O samba, acelerado não cativou a plateia.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação