Brasil

Polêmica sobre fantasias politicamente incorretas marca o carnaval 2020

Foi-se o tempo em que homem vestir-se de mulher ou de índio era só brincadeira. São várias as campanhas que desestimulam sair dessa forma para a folia. Algumas, de órgãos oficiais

Agência Estado
postado em 25/02/2020 06:00
 (foto: Fernanda Furtado/CB/D.A Press)
(foto: Fernanda Furtado/CB/D.A Press)

Foliões vestidos de mulher deixaram de ser uma inocente transgressão. Há quem teorize que se trata de uma atitude machista e desrespeitosaCarnaval é aquela festa na qual empregado usa roupa de patrão, homem se fantasia de mulher, branco se veste como índio, certo? Não mais. Assim como o lança-perfume, antes fartamente consumido durante o reinado de Momo e atualmente proibido, também as fantasias de índio, rastafari, nega maluca, mulher, padre e outras vão acabar, se depender de campanhas lançadas ou retomadas neste carnaval. Recomendações de retirada foram feitas, por exemplo, por órgãos oficiais de Belo Horizonte e do Ceará.

O debate não é novo. Da marchinha É Proibido Proibir à música Proibido o Carnaval, de Daniela Mercury, as discussões sobre o que pode ou não variam de época a época. Podem atingir as letras: hoje marcas do século passado, como Cabeleira do Zezé, Mulata Bossa Nova e Índio Quer Apito, acabaram praticamente banidas do repertório. Agora, o foco são fantasias e acessórios. E não há tanto consenso.

A polêmica sobre fantasias de índio começou em 2017 e foi retomada agora, antes mesmo do feriado. No primeiro domingo da folia em São Paulo, dia 16, a atriz Alessandra Negrini desfilou no bloco Acadêmicos do Baixo Augusta, do qual é rainha há sete anos, com cocar e pintura corporal com referências aos povos indígenas. Nas redes sociais, foi acusada de apropriação cultural ; usar símbolos indígenas, como adereços, para se autopromover e ganhar visibilidade. A atriz nega.

Em meio à retomada das críticas às fantasias de índio, internautas elegeram o bloco Cacique de Ramos como novo alvo. O grupo desfila no Rio desde 1961 e se divide em alas com fantasias indígenas, como Apache, Tamoio, Cheyenne e Família Carajás. ;Tanta fantasia boa para inventar e a galera insistindo nesses rolês racistas;, escreveu no Twitter uma internauta. ;Tem gente do movimento indígena falando sobre como é desrespeitoso com a cultura deles e sobre como esse reforço ao estereótipo é parte de um projeto de apagamento étnico;.

Em nota, o bloco se defendeu e disse respeitar ;o debate identitário;. ;No entanto, pedimos licença para falar da nossa trajetória. Os pioneiros do bloco possuíam nomes indígenas e eram ligados à umbanda. A agremiação nunca perdeu de vista o componente religioso no seu dia a dia nem suas referências desde a fundação;. O presidente é Ubirajara Félix do Nascimento, Bira Presidente, 83 anos, que criou o bloco com os irmãos Ubiraci, Ubirani e membros de mais duas famílias.

O carnaval sempre foi elemento de exposição da africanidade ; praticamente todas as escolas do Rio e de São Paulo, por exemplo, têm um detalhe afro em enredo e adereços. Mas a liberdade de uso cultural está em discussão aberta. Na capital mineira, o Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial divulgou no dia 13 a cartilha Nota de Orientação para Práticas Não Racistas no Carnaval, com sete itens. O primeiro critica marchinhas que ;perpetuam o racismo velado em expressões de bestialização e hipersexualização do corpo negro;, como as já citadas.

O segundo item critica o blackface, técnica teatral usada para pintar pessoas brancas como negras. ;O Blackface carrega a simbologia do apartheid e no Brasil não deve ser confundido com homenagem;, diz a cartilha. O texto também critica o uso de perucas ;black power; ou ;nega maluca;, dreadlocks e touca com tranças, que se ;traduzem como desrespeito aos símbolos da resistência negra;. Trajar-se como índio ou cigano também é desrespeitoso, diz o material. Homem vestido de mulher, então, nem pensar: é atitude machista, desrespeitosa com as mulheres e preconceituosa contra as pessoas trans.

No Ceará, a Defensoria Pública criou quatro cartazes de alerta contra as mesmas fantasias criticadas pelo órgão municipal mineiro. ;As vestes de padres, pastores, judeus e muçulmanos representam costumes, tradições e crenças;, explica um deles. Homem vestido de mulher é atacado em outro: ;Não reforce estereótipos de gênero com seu preconceito;, alerta.

;Quando essa apropriação cultural é feita de forma consciente, autorizada, de forma que denuncie alguma questão que está sendo violada, acho justo o uso de fantasias e adereços para que se levante o debate;, diz Sérgio Barbosa, professor de Sociologia da Universidade Estácio de Sá. ;Agora, quando isso é feito somente para o uso da imagem, sem relação com a realidade, na verdade se torna um grande deboche;, afirma.

Político também curte a farra


Com o Congresso em recesso até quinta-feira, parlamentares aproveitaram a folga estendida para se mostrar a eleitores em suas bases e ainda reforçar posições ideológicas. ;Sambando na cara do machismo;, escreveu a deputada Tabata Amaral (PDT-SP), em uma das suas muitas postagens nas redes sociais neste carnaval. Pelo Instagram, foi possível acompanhar a parlamentar circulando pelos blocos da capital paulista distribuindo adesivos com mensagens de combate ao assédio sexual contra as mulheres.

Em Recife, o namorado dela, deputado João Campos (PSB-PE), mostrou imagens do Galo da Madrugada, um dos blocos mais tradicionais de Pernambuco, e dançou ao lado dos cordeiros. Nas redes sociais da namorada, João aparece colando um adesivo no braço em que é possível ler uma mensagem contra assédio: ;Ela brinca com quem quer;. A iniciativa rendeu elogio da deputada.

Também em Pernambuco, o deputado Túlio Gadelha (PDT-PE) foi atração no Bloco da Lama, que faz homenagem ao movimento Manguebeat, e também desfilou mascarado pelas ladeiras de Olinda. Gadelha fez vídeos com uma máscara comprada no Peru que faz alusão aos Collas, povos anteriores aos Incas.

A deputada Sâmia Bonfim (PSOL-SP) manteve o tom político também durante a folia. Ela saiu com um grupo de amigas levando na cabeça adereços em menção ao Trotskismo (doutrina marxista baseada no ucraniano Leon Trótski). ;Bela, antifascista e do carnaval;, escreveu. Outros brincaram com os personagens escolhidos pelos foliões em blocos de rua. Foi o caso de Paulo Ganime (Novo-RJ), que tirou foto ao lado de um ;fantasma do comunismo;.

E olha que mesmo os representantes da bancada evangélica já desfilaram nesTe carnaval. O pastor Sargento Isidório (Avante-BA), por exemplo, caminhou pelas ruas de Salvador, mas com um estandarte nas mãos ressaltando a importância da família aos foliões. A placa tinha os dizeres: ;Família, maior motivo para brincar em paz e voltar pra casa;.

Mas, em meio à euforia, houve parlamentar que fez questão de mostrar que não tem samba no pé. Kim Kataguiri (DEM-SP), por exemplo, postou, no domingo, uma foto sua ao lado de um videogame com a legenda: ;Partiu carnaval;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação