Brasil

Ativista Raull Santiago critica uso de navios para atender pessoas de baixa renda

Agência Estado
postado em 18/03/2020 14:43
O ativista Raull Santiago, que vive no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, criticou nesta quarta, 18, a ideia do governo de isolar e atender pessoas de baixa renda diagnosticadas com o novo coronavírus em navios de cruzeiro. Nos locais afastados do mar, é considerada a possibilidade de usar quartos de hotéis para o períodos de quarentena. O principal foco da ação, ainda em fase de estudo, são moradores das comunidades cariocas. Para Santiago, a ação é uma forma de "isolamento de classe e raça". O ativista também criticou a postura do presidente Jair Bolsonaro diante do avanço do novo coronavírus no Brasil e no mundo. No último domingo, 15, mesmo com orientações para permanecer isolado, Bolsonaro participou de uma manifestação com centenas de pessoas a favor do governo. "Eu não quero ir para hotel de isolamento ou ser aprisionado em um navio. Eu quero a responsabilização do presidente deste país, que é um ignorante a ponto de zombar de uma pandemia. Eu quero que as pessoas privilegiadas parem de estocar (mantimentos) e comecem a distribuir. A FAVELA NÃO TEM CULPA", escreveu Santiago em uma rede social. Como mostrou o Broadcast/Estadão, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, a ideia do Ministério da Saúde é usar embarcações para atender casos leves do novo coronavírus, que não exigem leitos de UTI. Nesses casos, é recomendado cumprir isolamento em casa, mas o governo considera que nem todos possuem locais adequados para isso. De acordo com o secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo, os navios precisariam ser úteis e ter equipes de médicos e enfermeiros. Prática semelhante foi adotada na Itália. As preocupações com a população fluminense, no entanto, não se restringem aos locais para acomodar casos que precisem de acompanhamento. Como muitos centros urbanos, o Rio sofre com a precariedade do saneamento básico. Neste ambiente, hábitos de prevenção - como lavar as mãos, usar álcool gel e permanecer em isolamento social - tornam-se inviáveis para boa parte da população. Também da comunidade do Alemão, a comunicadora Tiê Vasconcelos conta que água é item raro. Na casa dela, só chega de madrugada, quando é hora de fazer estocagem em baldes para o restante do dia. O relato de Tiê pode ser visto no Twitter. Ela e outras dezenas de pessoas participam da hashtag #COVID19NasFavelas, criada nas redes sociais para mostrar a realidade das comunidades do Brasil. "Não tem água na favela para lavar a mão? COMPRA! Eu não posso comprar água nem pra beber. Vou comprar pra lavar a mão? Ter água na favela pra lavar a mão tá sendo luxo. Não fazem ideia da nossa realidade", postou. A proposta em estudo pelo governo é vista com ressalvas. O governo, diz ela, precisaria oferecer uma "grande estrutura" para que a pessoa possa "parar a sua vida" e se isolar. Ela destaca que muitos são obrigados a continuar trabalhando para sobreviver.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação