Brasil

Saúde fará 71 apreensões de exportação de máscaras e outros equipamentos

'Tudo que precisamos estamos apreendendo para que não saia do país', afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.

Maria Eduarda Cardim
postado em 24/03/2020 19:42
'Tudo que precisamos estamos apreendendo para que não saia do país', afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.Em meio ao aumento de casos confirmados do novo coronavírus em todo o Brasil, a falta dos equipamentos de proteção individual nos hospitais e unidades básicas de saúde já é uma realidade em alguns municípios. Para tentar conter a situação, o Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (24/3) que fará 71 apreensões da exportação de máscaras e outros produtos que não podem mais ser exportados.

"Ontem apreendemos em Santa Catarina 5 milhões de máscaras que estavam sendo exportadas. Amanhã faremos outras de produtos como respiradores, EPI;s e monitores. Tudo que precisamos estamos apreendendo para que não saia do país", afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.

O secretário explicou que 20% do estoque de EPI;s que o ministério conseguiu comprar já foi distribuído para todos os estados. No entanto, houve atraso na distribuição para estados da região Norte e Nordeste.

"Tivemos uma atraso dessa remessa pela falta de voos para levar. Então, mandamos por via terrestre. Amanhã faremos uma segunda remessa e já solicitamos ajuda da Força Aérea Brasileira (FAB) para que ela possa fazer a logística", explicou Gabbardo.

Criatividade

Gabbardo ainda afirmou que as máscaras são insuficientes no mundo inteiro e disse que é preciso ter "criatividade" neste momento.

"Não esperem que o governo consiga dar todas as máscaras que a população precisa. Não vamos conseguir e as pessoas vão ter que ter criatividade. Se não tem outra alternativa, faça uma máscara em casa, de pano", sugeriu.

O secretário ressaltou que a sugestão é destinada à população que está sintomática, em isolamento domiciliar e não tem máscaras. "Ela é uma barreira física para que ao falar ou tossir não haja disseminação de gotículas. Não recomendo isso para o serviços de saúde e profissionais de saúde", completou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação