Publicidade

Correio Braziliense

Coronavírus:Ocupação de leitos por síndrome respiratória dispara no Brasil

Segundo relatório do InfoGripe, a demanda para tratar os sintomas mais severos de gripe aumentou em dez vezes, ao comparar com a média histórica


postado em 26/03/2020 23:11 / atualizado em 26/03/2020 23:39

(foto: AFP)
(foto: AFP)
O número de pacientes hospitalizados com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no Brasil em fevereiro e março está dez vezes maior do que a média histórica. A explosão de casos coincide com a chegada do Covid-19 em território nacional e, segundo especialistas, é a causa mais provável para o drástico aumento. 

De acordo com um levantamento feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), aproximadamente 2.250 leitos de hospitais públicos e privados estavam ocupados até sábado (21/03) por doentes apresentando sintomas de gripe forte, como tosse, febre e dificuldade para respirar — os mesmos que indicam a infecção pelo novo coronavírus. O levantamento faz parte dos trabalhos do sistema InfoGripe, responsável por monitorar as notificações de SRAG no Brasil e criando em 2009, em meio a epidemia do H1N1. 

A maior parte dos casos se concentra em São Paulo, com mais de 1,2 mil internações. Em relação ao mesmo período do ano passado, a ocupação aumentou em 30%. O maior pico, segundo o coordenador do InfoGripe, Marcelo da Costa Gomes, ocorreu nas últimas semanas, fazendo com que os números de fevereiro e março cheguem a ser quatro vezes maior do que em épocas sazonais de gripe. 

“Embora já vínhamos observando um crescimento ao longo do tempo, essa mudança  muito grande nas duas últimas semanas é um forte indício de que a alta está sim associada ao novo coronavírus”, afirmou o pesquisador. 

No entanto, as ocupações não podem ser atribuídas somente aos infectados pelo Covid-19. O vírus Influenza e outros coronavírus também podem desencadear um quadro de síndrome respiratória grave e fazem parte da rede sentinela. A tendência, com a chegada do período sazonal das gripes é que a demanda por leitos suba ainda mais. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade