Publicidade

Correio Braziliense

Evolução do coronavírus no Brasil se aproxima de cenários mais graves

Com a realização de testes em massa, a tendência é registrar um aumento exponencial no avanço da doença que já matou 114 brasileiros


postado em 29/03/2020 07:00

Caso o Brasil siga a mesma tendência da Itália, as projeções do Nois indicam que, até 11 de abril, o país ultrapasse os 25,2 mil casos
Caso o Brasil siga a mesma tendência da Itália, as projeções do Nois indicam que, até 11 de abril, o país ultrapasse os 25,2 mil casos
Mesmo sem iniciar a expansão de testes para a Covid-19, o número de casos confirmados no Brasil está alcançando maiores taxas dentro das estimativas de pesquisadores. Na semana passada, os índices parearam com as projeções mais otimistas, enquanto os levantamentos desta semana alcançaram a média esperada. O ritmo de crescimento para os próximos dias indica que o país pode estar se aproximando das piores conjecturas.

O Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (Nois) — parceria entre pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto D’or — tem monitorado a curva de crescimento do novo coronavírus para auxiliar nas medidas de combate à pandemia. Na mais recente avaliação, o grupo demonstrou que, entre 16 a 20 de março, o Brasil tinha conseguido manter o aumento de casos dentro da melhor projeção possível. No cenário otimista, a previsão era de 919 casos confirmados. Na prática, o montante ficou em 904.

A estimativa, até a última sexta-feira, era de chegar até 5,7 mil casos (no pior cenário), 3,8 mil (na linha mediana) e 2,6 mil (no melhor cenário). Diferentemente da semana anterior, o Brasil alcançou uma confirmação bem mais próxima da projeção intermediária, registrando 3,4 mil infectados. No entanto, os pesquisadores acreditam que os números apresentados oficialmente não refletem a realidade do panorama atual. “Acreditamos que a subnotificação, um baixo volume de testagem e a demora nos resultados dos testes confirmatórios, possam ter afetado os valores reportados pelo Ministério da Saúde e pelas Secretarias Estaduais, de forma a estarem abaixo do que eles são na realidade”, diz a nota técnica.

Caso o Brasil siga a mesma tendência da Itália, as projeções do Nois indicam que, até 11 de abril, o país ultrapasse os 25,2 mil casos. Alinhar o crescimento com o da Coreia do Sul é tarefa impossível, pois, até a mesma data, a estimativa era de 3,8 mil casos, número inferior aos 3.904 anunciados ontem pelo Ministério da Saúde. A meta da equipe de Mandetta é não variar mais de 33% de aumento diário de casos, o que vem sendo conseguido nos últimos dias. Na sexta-feira, a variação foi de 17,2%, com incremento de 502 novos casos. No sábado, o aumento ficou em 14,25%, considerando-se o registro de 487 casos adicionais no país.

Com a implementação dos testes rápidos no Brasil, que deve começar na próxima semana, o próprio ministério prevê um aumento exponencial de casos, revelando pessoas infectadas e que estejam assintomáticas ou fora dos casos graves. “Quanto mais gente testada, mais casos serão revelados. Isso ajudará a entender a dinâmica da virose, tanto para o Brasil quanto para o mundo”, explicou secretário-executivo João Gabbardo. Serão oito milhões de testes rápidos de 11 marcas liberadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Contando com a ampliação de exames laboratoriais, o país deverá realizar 22,9 milhões de testes.

Avaliação

Para a pesquisadora em biologia molecular e professora da Universidade de Brasília Andrea Maranhão, os números atuais mostram, além da subnotificação, a constatação de que o brasileiro ainda não conseguiu se alinhar às medidas preventivas. “Ainda não caiu a ficha do isolamento social na força com que deveria. E isso vai piorar, porque agora temos uma contrainformação do governo federal, indo na contramão da restrição e causando uma confusão completa para a população”, criticou.

A especialista ressaltou a importância do afastamento social como medida para conter o avanço do vírus. Afrouxar a quarentena seria um desastre nesse momento. “Jogaria o pico para as próximas semanas. O que buscamos é um achatamento dessa curva”. A estratégia do isolamento não tem como finalidade diminuir o número de infectados, mas distribuir os casos em um maior período de tempo. “O objetivo prioritário é não extrapolar o limite de leitos, equipes e equipamentos para receber os doentes. Isso impacta no número de mortes, reduzindo pela metade quando se há a oferta de atendimento hospitalar”, explicou a pesquisadora.

A perspectiva para o próximo mês é que a epidemia aumente no Brasil, uma vez que o país está no início da curva de crescimento pela qual a Itália, Reino Unido e Estados Unidos passam hoje. A equipe do Ministério da Saúde resiste em fazer comparações entre países, mas adianta que o cenário será crítico. “Vamos ter 30 dias muito difíceis, sem previsão de reduções de novos casos. Simulações são muito precoces para se fazer. Nossa intenção é fazer que a curva reduza o máximo possível”, declarou o secretário-executivo João Gabbardo.

O cenário deve ser agravado, ainda, com os maiores picos de dengue e outras síndromes respiratórias graves, decorrentes do início do período sazonal. A recomendação da pasta é para que os grupos de risco se vacinem contra a gripe, evitando a concorrência por leitos de hospitais. A população deve se atentar às regras de etiqueta respiratória, evitando, ao máximo, sair de casa.

 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade