Brasil

Crise pior nas Américas

postado em 01/04/2020 04:33
Em videoconferência para vários países, a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e diretora regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as Américas, Carissa Etienne, disse ontem que a pandemia na região vai aumentar e piorar antes de melhorar, como ocorreu em outras nações, por conta da transmissão comunitária. Segundo ela, nas Américas, são 773 mil casos confirmados e 2.836 mortes. ;A esperança deve nos alentar se seguirmos dois pilares: solidariedade e evidências científicas;, disse, defendendo o isolamento social.

Etienne afirmou que a Opas está trabalhando na América para controlar a doença. ;Muitos países-membros estão enfrentando o desafio de combater a Covid-19 em um contexto de desigualdade e restrição financeira;, apontou. Para a diretora, a pandemia colocou os sistemas sanitários de todos os países à prova. ;Precisamos assegurar que os países possam utilizar os recursos disponíveis. Estamos em tratativas com as autoridades regulatórias nacionais para alavancar recursos para produtos médicos;, assinalou.

Para Etienne, a única forma de reduzir a velocidade de propagação e evitar um colapso nos sistemas de saúde é o distanciamento social. ;Os países precisam adotar medidas urgentes para preparar instalações médicas temporárias. O vírus não será detido por fronteiras;, ressaltou. ;As medidas podem parecer drásticas, mas a única forma de evitar que os hospitais fiquem sobrecarregados é o isolamento;, destacou.

Com base na experiência em países fora das Américas, Carissa Etienne assinalou que parece prudente adotar medidas de distanciamento por dois ou três meses. ;Ainda não temos evidências robustas de remédios ou vacinas, por isso, essa segue sendo a melhor opção para evitar consequências mais sérias;, reforçou.

Apartados e juntos
Segundo a diretora da Opas, apesar de apartados, os seres humanos estão mais conectados do que nunca. ;Vamos compartilhar soluções. Nas próximas semanas, temos que trabalhar juntos, mesmo fisicamente separados. A solidariedade nunca teve um sentimento tão profundo como agora;.

O diretor Ciro Ugarte destacou que a Organização Pan-Americana da Saúde vai mandar 200 mil testes de provas, sobretudo, àqueles países que não podem comprá-los diretamente. Nos próximos três meses, serão 900 mil. Ugarte alertou que o pico do contágio depende das medidas adotadas.

O distanciamento é fundamental para reduzir a carga nos hospitais e nos respiradores, reforçou o diretor Jarbas Barbosa. ;A primeira estratégia é impedir a transmissão. A segunda é aumentar a capacidade de atenção, como a suspensão de todos os procedimentos que não sejam essenciais nas redes hospitalares;, disse. Para desafogar os leitos de UTI, Barbosa sugeriu outras estratégias, como teleconsulta, telemedicina e atenção básica.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação