Brasil

Polícia fecha loja da Havan por descumprir decreto de quarentena em SC

Autorização permitia apenas a venda de ovos de Páscoa, mas o estabelecimento estava comercializando outros produtos

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 04/04/2020 17:34
 (foto: Divulgação/Redes sociais)
(foto: Divulgação/Redes sociais)

Loja da Havan fechada pela PMA Polícia Militar fechou, neste sábado (4/3), a loja Havan de Porto Belo, no Litoral Norte de Santa Catarina, por descumprir do decreto estadual que determinou quarentena no estado. As lojas de departamento foram autorizadas a abrir exclusivamente para a venda de ovos de Páscoa. Segundo a PM, a loja, no entanto, permitiu a compra de outros produtos.


As informações são da colunista do NSC Total, Dagmara Spautz, que autorizou a reprodução.

;As lojas de departamento reabriram neste sábado após um anúncio da Federação das Associações Empresariais, a Facisc. A liberação foi definida em uma reunião do Comitê de Crise, mas o Governo do Estado não emitiu nenhum comunicado oficial sobre a permissão. Questionada pela coluna, a Secretaria de Estado de Comunicação informou, em nota, que ;o governo do estado autoriza o funcionamento de estabelecimentos comerciais cuja Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE) está relacionada a gênero alimentício. Isso incluiu o comércio de chocolates em supermercados, mercados e lojas de rua;. A nota ressalta que a abertura está condicionada ao cumprimento das regras de distanciamento social. O entendimento do governo é que a venda de chocolates já estava incluída, tecnicamente, no decreto do dia 23 de março, no item que trata o comércio de gêneros alimentícios como serviço essencial. A coluna entrou em contato com o empresário Luciano Hang e com o gerente da Havan, por meio de mensagem, e também com o advogado Fábio Roberto de Souza, responsável pelo departamento jurídico da rede de lojas, por mensagem e por telefone. As ligações não foram atendidas, e as mensagens ainda não tiveram retorno.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação