Publicidade

Correio Braziliense

Pandemia torna sepultamentos ainda mais dolorosos para famílias

Pandemia torna os sepultamentos cerimônias ainda mais dolorosas. Poucos parentes são permitidos nos velórios e enterros são autorizados mesmo sem atestado de óbito, para que não haja possibilidade de infecção por meio dos despojos


postado em 06/04/2020 06:00 / atualizado em 06/04/2020 06:37

Dezenas de covas abertas em Vila Formosa, em São Paulo, e trabalhadores do cemitério: pandemia mudou a rotina dos campos e das cerimônias de despedida (foto: AFP / NELSON ALMEIDA )
Dezenas de covas abertas em Vila Formosa, em São Paulo, e trabalhadores do cemitério: pandemia mudou a rotina dos campos e das cerimônias de despedida (foto: AFP / NELSON ALMEIDA )
A cena choca pela crueza. No velório, o esquife fechado jaz quase solitário sobre os cavaletes. A despedir-se dele, um, dois parentes –– e nada mais. No momento de conduzir o caixão à sepultura, pessoas totalmente vestidas com equipamentos de segurança contra contaminações surgem como que saídas de algum filme de cinema catástrofe. O silêncio torna-se mais pesado, mais dolorido, mais intenso do que normalmente é, pois o filho, a filha, o viúvo, a viúva são impedidos de ir em cortejo até o jazigo. A separação dá-se agressivamente, e de forma quase desumana, no momento em que a carreta deixa a capela acompanhada somente pelos funcionários do cemitério.

A descrição acima é de um sepultamento em tempos de pandemia da Covid-19. Os campos santos, prevendo a morte em massa, abrem dezenas de covas, uma forma fria, mas inevitável, de evitar que a contaminação se espalhe pela demora em enterrar uma vítima da doença. Foi, aliás, por causa disso que o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Dias Toffoli, e o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta assinaram, no último dia 31, portaria autorizando o sepultamento e a cremação de pessoas sem a necessidade de um atestado de óbito. Isso ocorre depois de o próprio ministro ter avisado aos governadores que o momento é de preparar as funerárias para o aumento no número de vítimas fatais da Covid-19.


Equipamentos 


Quem trabalha nos cemitérios está igualmente intranquilo e abalado com o crescimento em proporção geométrica nas mortes e sepultamento. Porém, um dado se soma à tensão de conviver com as vítimas fatais da Covid-19: a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que vêm sendo destinados aos médicos, enfermeiros e auxiliares, nas unidades de saúde. Por isso, a Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário (Abredif) encaminhou um ofício ao Ministério da Saúde com um pedido de apoio para que as empresas consigam comprar EPIs.

(foto: Nelson Almeida/AFP )
(foto: Nelson Almeida/AFP )
“Não queremos doação. O problema é que não estamos conseguindo comprar. Antes, a gente usava esses equipamentos num número muito limitado de casos. Agora, usamos em um número muito maior porque, nas suspeitas, o tratamento é o mesmo das confirmações. Nós não estávamos conseguindo comprar na rede regular. Pedimos esse socorro para o Ministério da Saúde”, afirma o presidente da Abredif, Lourival Panhozzi.

Ele garante que o caos no sistema funerário –– como se vê no Equador — não chegará ao Brasil. Mas considera exageradas imagens como as que mostram o cemitério de Vila Formosa, em São Paulo, com dezenas de novas covas abertas para receber vítimas da Covid-19. “Não há chance de o sistema funerário entrar em colapso. Esse número não nos tira a capacidade operacional. Intensificamos os protocolos de segurança que praticamos. Nos casos de coronavírus confirmados ou suspeitos, os corpos saem preparados e protegidos. Os velórios, agora, têm menor duração, de quatro horas,  no máximo”, explica Panhozzi.

Ele detalha que as empresas se uniram em uma rede nacional para ajudar uns aos outros. “É para um ajudar o outro e suprir. Repassamos uns para os outros, à medida que a demanda aumenta em alguns lugares”, explica.

O presidente da Abredif conta que as funerárias têm encarado o tema com seriedade, mas não estão desesperados. “A cidade de São Paulo, por exemplo, realiza até 300 atendimentos num dia, normalmente. Os casos até agora não somam um dia de trabalho. Mas as empresas privadas estão prontas para aumentar os atendimentos”, garante.


Colapso e corpos deixados na rua 

O colapso no sistema funerário do Equador tem proporcionado cenas chocantes. Em Guaiaquil, a semana foi de caos: devido ao alto número de mortes, corpos são deixados nas calçadas pelas famílias com medo da infecção e incomodadas com o odor exalado pela decomposição. Na Europa, que se tornou o maior epicentro da pandemia, em março, a situação é bem próxima. Na Itália, onde os necrotérios não suportam a quantidade de mortos, um decreto obriga hospitais a enrolar corpos e colocá-los em caixões em até 24 horas. Funerais estão proibidos. Já na Espanha, onde o número de óbitos passou de 11 mil, estacionamentos viraram depósitos de caixões.


Necrópsias não invasivas


A pandemia e a detecção das mortes pela Covid-19 mexeu também com a medicina legal, no sentido de tornar as necrópsias mais céleres. João Pitaluga, presidente da Associação Brasiliense de Medicina Legal (ABrML), explica que, dentre as medidas necessárias para mitigar os riscos à saúde dos profissionais da saúde e conter a transmissão da infecção, no Instituto de Medicina Legal (IML) do Distrito Federal “estão sendo utilizadas técnicas de necrópsias não invasivas, conhecidas como virtópsias (alternativa virtual a uma autópsia tradicional, realizada com a tecnologia de digitalização e geração de imagens), que permitem que o caso seja esclarecido com maior rapidez, menor custo e menor risco de contaminação para servidores e para a população”. 

As necrópsias serão realizadas por meio da inspeção externa do corpo, tomografia computadorizada e coleta de amostras biológicas, sem a abertura dos despojos. Os médicos legistas utilizam EPIs durante os exames necroscópicos e de corpo de delito. Além disso, em perícias realizadas em pessoas vivas, a orientação é de que seja mantida uma distância mínima de um metro durante os atendimentos. Tudo isso, segundo Pitaluga, é feito em ambientes com boa ventilação, higienização frequente das mãos e superfícies, intensificação da limpeza geral e pia para lavagem das mãos.

Ele conta que a rotina dos atendimentos mudou. “Houve redução no número de atendimentos nas perícias do vivo, acrescido do fato que somente deverá ser encaminhado ao IML, para realização de Exame de Corpo de Delito, em casos de possíveis lesões corporais, o autuado que afirmar ter sido agredido fisicamente ou que apresentar lesões aparentes”, afirma.

*Estagiários sob a supervisão de Fabio Grecchi

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade