Brasil

Coronavírus: EUA anunciam ajuda de R$ 5,2 milhões ao Brasil

Em nota, embaixada americana disse que ''os Estados Unidos continuam a demonstrar liderança global diante da pandemia da Covid-19''

Sarah Teófilo
postado em 01/05/2020 23:07
Em nota, embaixada americana disse que ''os Estados Unidos continuam a demonstrar liderança global diante da pandemia da Covid-19''Os Estados Unidos anunciaram um fundo de apoio econômico de US$ 950 mil dólares ao Brasil, o que equivale a cerca R$ 5,2 milhões, para ações de combate aos efeitos da pandemia do novo coronavírus no país.

Em nota divulgada pela embaixada dos EUA nesta sexta-feira (1;/5), foi informado que o valor é "para incentivar investimentos do setor privado na mitigação dos impactos, não relacionados à saúde", da Covid-19 nas populações vulneráveis, "com foco na região amazônica".

"Essa assistência faz parte do investimento anterior dos EUA no Brasil, que totaliza mais de US$ 617 milhões nos últimos 20 anos, incluindo quase US$ 103 milhões em saúde. Esse fundo será coordenado pela Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID) por meio de parceiros do setor privado e da sociedade civil e em coordenação com o governo brasileiro", informou.

[SAIBAMAIS]Em nota no site foi destacada uma fala do embaixador Todd Chapman realizada no anúncio. ;Esta iniciativa ajudará os esforços do Brasil para mitigar o impacto socioeconômico e de saúde da COVID-19 e demonstra claramente nosso compromisso de longa data com nossa parceria estratégica com o Brasil;, disse.

A embaixada ainda afirmou que "graças à generosidade do povo e da ação do governo norte-americano, os Estados Unidos continuam a demonstrar liderança global diante da pandemia da Covid-19". Meses combatendo essa pandemia no país e exterior, os EUA continuam a ser o maior doador para os esforços de resposta a nível mundial da Covid-19, construindo décadas de liderança em saúde e assistência humanitária que salvam vidas", pontou.

No mês passado, o país norte-americano foi acusado de atrapalhar compras, como de respiradores e insumos, de diversos países, dentre eles o Brasil. O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta informou no começo de abril que parte dos equipamentos de proteção individuais (EPIs) adquirido na China "caiu" depois que os EUA compraram um volume grande.

"Hoje os Estados Unidos mandaram 23 aviões cargueiros dos maiores para a China, para levar o material que eles adquiriram. As nossas compras, que tínhamos expectativa de concretizá-las para poder fazer o abastecimento, muitas caíram", disse na época. O ex-ministro afirmou na ocasião que o mesmo havia acontecido com respiradores.

O ministro do Interior do estado de Berlim, Andreas Geisel, disse que o país norte-americano pratica uma ação chamada "pirataria moderna". Ele relacionava a não entrega de 200 mil máscaras a Berlim com proibição de exportação dos EUA.

O presidente da região francesa Grand Est, Jean Rottner, disse também em abril que norte-americanos estavam comprando máscaras fabricadas na China nas pistas dos aeroportos do país asiático, antes de partirem para a França, segundo informações da Rádio França Internacional (RFI). "Na pista, os americanos oferecem dinheiro e pagam três ou quatro vezes o preço dos pedidos que fizemos, temos que lutar", disse.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação