Brasil

Ministério da Saúde divulga assinaturas do protocolo da cloroquina

O documento, que foi divulgado anteriormente sem as assinaturas, recebe aval dos responsáveis pelas secretarias da pasta, incluindo a do secretário Wanderson de Oliveira, peça influente na gestão de Mandetta e que se manteve no cargo de confiança

Bruna Lima, Maria Eduarda Cardim
postado em 21/05/2020 14:47
O documento, que foi divulgado anteriormente sem as assinaturas, recebe aval dos responsáveis pelas secretarias da pasta, incluindo a do secretário Wanderson de Oliveira, peça influente na gestão de Mandetta e que se manteve no cargo de confiançaNesta quinta-feira (21/5), o Ministério da Saúde divulgou as assinaturas do documento que apresenta as novas orientações do uso da cloroquina no tratamento de pacientes com covid-19. Os titulares de sete secretarias dos órgãos deram aval ao documento, que havia sido divulgado anteriormente sem nenhuma assinatura. De acordo com a nota da pasta, houve envolvimento de todas as secretarias na elaboração do protocolo e a assinatura foi feita na quarta-feira (20/5).

A medida foi adotada, após a pasta ser questionada sobre a conformidade da publicação com o corpo técnico. ;Houve participação de vários técnicos do ministério. É um trabalho que vem sendo feito há um bom tempo, que está sendo pactuado com Conass e Conasems. Tem uma larga fonte de referência e um trabalho que foi acordado de maneira consensual com todas as secretarias;, adiantou, em coletiva de quarta (20), o secretário-executivo interino, Élcio Franco.

A nota da pasta divulgada nesta quinta, diz que ;para deixar clara a participação e o envolvimento de todas as secretarias, os titulares das pastas assinaram o documento ainda na quarta-feira;

Assinaram o documento Mayra Isabel Correia Pinheiro, Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde; Cleusa Rodrigues da Silveira Bernardo, secretária substituta de Atenção Especializada à Saúde; Robson Santos da Silva, secretário Especial de Saúde Indígena, Daniela de Carvalho Ribeiro; secretária substituta de Atenção Primária à Saúde; Vania Cristina Canuto Santos, secretária substituta de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde; Antônio Elcio Franco Filho, secretário-executivo substituto; e Wanderson Kleber de Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde.

A nova orientação do uso do medicamento, que era prometida há algum tempo pelo presidente Jair Bolsonaro, indica aos médicos a utilização da cloroquina para pacientes com sintomas leves da covid-19. A proposta vai em direção oposta à maioria dos países no mundo, onde a droga só é usada para pacientes graves.

Vale ressaltar que o documento recebeu aval inclusive do secretário Wanderson de Oliveira, peça influente na gestão de Mandetta e que se manteve no cargo de confiança.

Ao ser questionado sobre a decisão em normatizar o uso da cloroquina de forma precoce, o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, disse que as substâncias só devem ser usadas contra a doença em ensaios clínicos. ;Até esse estágio, nem a cloroquina nem a hidroxicloroquina têm sido efetivas no tratamento da covid-19 ou nas profilaxias contra a infecção pela doença. Na verdade, é o oposto;. No entanto, ele ponderou: ;cabe a cada autoridade nacional avaliar as evidências a favor e contra essa droga.;

[SAIBAMAIS]O documento do Ministério da Saúde pondera ;que até o momento não existem evidências científicas robustas que possibilitem a indicação de terapia farmacológica específica para a covid-19;. No entanto, justifica a escolha da cloroquina e da hidroxicloroquina para normatização devido ;a existência de diversos estudos e a larga experiência do uso;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação