Publicidade

Correio Braziliense

Parceria entre ministérios e CNI recupera respiradores para combate à covid

Até o momento, 1.016 aparelhos foram consertados e devolvidos a instituições de saúde


postado em 26/05/2020 18:42 / atualizado em 26/05/2020 18:58

(foto: Divulgação/Forças Armadas e CNI)
(foto: Divulgação/Forças Armadas e CNI)
O Ministério da Defesa, por meio da Secretaria de Produtos de Defesa (Seprod), a Confederação Nacional da Indústria (CNI), e os ministérios da Economia e Saúde, além da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) firmaram parceria que já resultou na recuperação de 1.016 respiradores.

Eles foram consertados e devolvidos para instituições de saúde de diversos pontos do Brasil. Os aparelhos, que antes estavam encostados e sem uso, agora voltaram para a linha de frente no combate à covid-19.

A missão de recolher os equipamentos com defeitos teve início na última semana de março. Eles foram levados para 39 pontos de manutenção, espalhados por todas as regiões do País. Mais de 3 mil respiradores já deram entrada nos locais de manutenção.
 
(foto: Divulgação/Forças Armadas e CNI)
(foto: Divulgação/Forças Armadas e CNI)
 

São Paulo lidera a lista dos estados com mais equipamentos consertados. Até a segunda-feira (25/5), 382 respiradores já tinham sido devolvidos para unidades hospitalares do estado. Na empreitada, além do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/Cimatec), estão envolvidas sete fábricas do setor automotivo.
 

Mais iniciativas 

O Ministério da Defesa também lançou a ação “Produtos ao Alcance de Todos”. Trata-se de plataforma para cadastrar fabricantes e produtos que auxiliam instituições hospitalares no combate à covid-19. Mais de 461 empresas, localizadas em todas as regiões do aís, preencheram o cadastro para oferecer cerca de 820 produtos. Para se cadastrar ou ver mais detalhes sobre esta ação, basta acessar o site defesa.gov.br.
 
*Estagiário sob supervisão de Fernando Jordão

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade