Publicidade

Correio Braziliense

Em carta, patroa pede perdão para a mãe de Miguel: "Perda irreparável"

Sarí Gaspar Corte Real, primeira-dama de Tamandaré (PE), é investigada pela morte da criança, que caiu do 9º andar de um prédio em Recife. Leia a íntegra da carta


postado em 05/06/2020 20:13 / atualizado em 05/06/2020 20:27

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
"Como mãe, sou absolutamente solidária ao seu sofrimento. Miguel é e sempre será um anjo na sua vida e na sua família." Esse é um trecho da carta escrita por Sarí Gaspar Corte Real, destinada a Mirtes Renata, mãe do menino Miguel, de 5 anos, que morreu ao cair do 9º andar de um prédio em Recife.

Sarí, patroa de Mirtes e investigada pela morte da criança, também pediu perdão e disse que não há palavras para descrever a perda. "(Eu) Te peço perdão. Não tenho o direito de falar em dor, mas esse pesar, ainda que de forma incomparável, me acompanhará também pelo resto da vida", escreveu.

Na carta, a patroa também disse que está sendo condenada pela opinião pública e que as redes sociais potencializam o ódio das pessoas. "Tenho certeza que a Justiça esclarecerá a verdade", disse.

O menino despencou de uma altura de aproximadamente 35 metros, no 9º andar do edifício Píer Maurício de Nassau, conhecido como Torres Gêmeas e localizado no Bairro de São José, área central do Recife. Ele havia sido deixado aos cuidados de sua empregadora, que também é primeira-dama de Tamandaré, enquanto Mirtes passeava com os animais de estimação da família.

Leia a carta na íntegra:

"Como mãe, sou absolutamente solidária ao seu sofrimento. Miguel é e sempre será um anjo na sua vida e na sua família. Não há palavras para descrever o sofrimento dessa perda irreparável. Nunca, mas nunca mesmo, pude imaginar que qualquer mal pudesse acontecer a Miguel, muito menos a tragédia que se sucedeu.

Te peço perdão. Não tenho o direito de falar em dor, mas esse pesar, ainda que de forma incomparável, me acompanhará também pelo resto da vida. Estou sendo condenada pela opinião pública como historicamente outros foram. As redes sociais
potencializam o ódio das pessoas. Tenho certeza que a Justiça esclarecerá a verdade.

Na nossa casa sempre sobrou carinho e amor por você, Miguel e Martinha. E
assim permanecerá eternamente.
Rezo muito para que Deus possa amenizar o seu sofrimento e confortar seu
coração."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade