Brasil

País bate 700 mil casos

Segundo balanço do Ministério da Saúde, o Brasil registrou 679 mortes em 24 horas. Total de óbitos vai a 37.134. Pasta informou que os estados que não encaminharam os dados até as 16h de ontem não tiveram os números incluídos na contagem oficial

postado em 09/06/2020 04:04
Ocorrências em alta: Davi Alves, 39 anos, durante transporte para hospital em Belém

Em meio à confusão dos números do novo coronavírus feita pelo Ministério da Saúde, a pasta confirmou, ontem, o registro de mais 679 óbitos e 15.654 casos da covid-19 no Brasil. O país totaliza, então, de acordo com balanço oficial, 707.412 casos e 37.134 mortes pela doença. Na atualização, no entanto, ficaram de fora os novos números de Alagoas, Distrito Federal, Goiás e Santa Catarina; e há divergências em relação a outros estados.


Segundo a pasta, os estados que não encaminharam os dados até as 16h de ontem não tiveram os números incluídos na contagem. ;Isso é uma forma de a gente manter uma organização nacional. Assim que os dados forem encaminhados para o ministério, nós iremos atualizar no boletim do dia seguinte;, afirmou o diretor do Departamento de Análise de Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis, Eduardo Macário.


Durante a coletiva, ontem, Elcio Franco, secretário-executivo da Saúde informou que os números sobre a covid-19 voltarão a ser divulgados às 18h. O presidente Bolsonaro chegou a indicar que o Ministério passaria a relatar apenas mortes que ocorreram nas últimas 24 horas. Mas a pasta manteve a metodologia de somar registros de mortes do dia às de dias anteriores.


Apesar de uma queda em relação aos dias passados, quando os óbitos superaram mil, os números às segundas-feiras costumam ser menores, assim como do fim de semana. O ministério já justificou que a diferença ocorre porque alguns sistemas de coletas de dados de estados e municípios não são atualizados nos finais de semanas para serem totalizados.


Os números divulgados pela pasta vão ao encontro dos dados expostos pela plataforma do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). De acordo com dados das secretarias de estado das unidades federativas que não tiveram números contabilizados, porém, há registro de novos casos e de mortes em todas elas. Em Alagoas, o governo estadual confirmou mais 21 mortes e 633 infecções. Já Santa Catarina registrou mais seis óbitos e 177 casos. No Distrito Federal, o ministério contabilizou seis novas infecções e nenhuma morte, enquanto o número da secretaria é de 325 e nove, respectivamente. Por fim, Goiás teve mais 336 casos e nenhuma morte, sendo que, na plataforma do Ministério da Saúde, a atualização dá conta de 311 casos.


Divergências
Além disso, há divergências entre os números do governo federal em relação aos dados das secretarias de outros estados. Corrigindo as diferenças, o Brasil teve 849 mortes e 19.631 infectados em razão do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo levantamento de um consórcio de veículos de imprensa junto aos governos estaduais. No balanço paralelo, o país registra 37.312 mortes e 710.887 casos confirmados.


A decisão de trabalho coletivo foi tomada depois que o presidente Jair Bolsonaro informou que iria suprimir dados do montante da casos e mortes pelo novo coronavírus no Brasil. ;Acabou matéria do Jornal Nacional;, disse, ao ser questionado sobre os atrasos na divulgação, primeira atitude que dificultou a prestação de informação por parte da imprensa. Em resposta, G1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL passaram a trabalhar de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal.


Em pleno crescimento de casos e mortes da doença, o Brasil deve se tornar o segundo país com mais mortes pelo novo coronavírus ainda esta semana. Segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins, a nação brasileira ocupa o terceiro lugar no ranking de países com mais óbitos pela doença. Apenas os Estados Unidos, com 110.932 mortes; e o Reino Unido, com 40.680 vítimas, estão na frente do Brasil.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação