Brasil

Médico militar indica hidroxicloroquina e fura isolamento em protesto

O médico Allan Garcês usa as redes sociais para defender o uso de medicamentos contra a covid-19 de maneira profilática e faz militância pró-Bolsonaro, inclusive com participações de manifestações sem o uso de máscaras

Bruna Lima, Maria Eduarda Cardim
postado em 01/07/2020 16:47
O médico Allan Garcês usa as redes sociais para defender o uso de medicamentos contra a covid-19 de maneira profilática e faz militância pró-Bolsonaro, inclusive com participações de manifestações sem o uso de máscarasEnquanto o Ministério da Saúde alerta aos servidores sobre o uso das redes sociais "com cuidado", é justamente por meio delas que o coordenador-Geral de Gestão de Projetos de Saúde Digital da pasta, Allan Quadros Garcês, tece críticas aos Supremo Tribunal Federal (STF) e divulga a participação ativa em manifestações de extrema direita, descumprindo as medidas de isolamento e a orientações de uso de máscaras, conforme recomenda o próprio ministério.

Com direito à transmissão ao vivo, o médico de carreira compareceu nas últimas passeatas bolsonarista e justificou que o ato era necessário "em defesa da liberdade, democracia, da Constituição brasileira que o STF está tentando rasgar e jogar no lixo. Não podemos permitir que o STF venha implantar a sua ditadura, ditadura da toga", disse no início de uma live, em 21 de junho. Além de fortalecer aglomeração em período em que o distanciamento social é necessário, posou para fotos sem o uso de máscaras.

O médico Allan Garcês usa as redes sociais para defender o uso de medicamentos contra a covid-19 de maneira profilática e faz militância pró-Bolsonaro, inclusive com participações de manifestações sem o uso de máscaras

As críticas contra o Supremo também são frequentes nas postagens. "Elegemos um presidente para governar o país, não elegemos um judiciário pelego, autoritário, ideológico e ditador", escreveu. Defensor fervoroso do presidente Jair Bolsonaro, o servidor destaca os principais feitos do mandatário e usa os canais para fazer militância e forte oposição à esquerda.

A veia política, no entanto, não fica restrita às plataformas. Em 2018, foi candidato a deputado federal pelo PSL. Também atuou durante um breve período com secretário de Saúde de Roraima, até meados de fevereiro deste ano. Militar da reserva, também é médico de carreira, tem especializações em ortopedia, traumatologia e pediatria. Além disso, foi professor nas universidades federais do Pará, Roraima e Maranhão.

Como seguidor das pautas do presidente, Garcês defende veementemente o tratamento de covid-19 a base de medicamentos como hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina. "Vidas podem ser confinadas, mas a verdade nunca será trancada, em um futuro bem próximo a história mostrar a quem errou e quem acertou. Lockdown não, tratamento precoce sim. Salva vidas com hidroxicloroquina e ivermectina", defendeu.

O médico Allan Garcês usa as redes sociais para defender o uso de medicamentos contra a covid-19 de maneira profilática e faz militância pró-Bolsonaro, inclusive com participações de manifestações sem o uso de máscaras

O médico Allan Garcês usa as redes sociais para defender o uso de medicamentos contra a covid-19 de maneira profilática e faz militância pró-Bolsonaro, inclusive com participações de manifestações sem o uso de máscaras
Recorrentemente questionado sobre como usar as drogas, o médico faz coro. "Há 15 anos minha filha com sete anos tomou esse remédio para combater piolhos", interagiu um internauta. "Exatamente e até hoje ainda se usa a ivermectina para combater parasitas, como piolho. No entanto, tem um potencial efetivo antiviral capaz de combater o coronavírus, da mesma forma que a hidroxicloroquina", responde Garcês.

Em outra postagem, um seguidor tira dúvidas: "Boa noite doutor. Não consigo comprar a hidroxicloroquina. Consegui comprar a ivermectina e mais a azitromicina, isso foi por precaução". Na sequência, o médico aprova: "A ivermectina pode ser usado juntamente com azitromicina no tratamento com bons resultados, desde que usados no início da doença", recomenda.

No entanto, em outras respostas, ele recomenda o uso profilático "apenas para os profissionais da saúde que estão na linha de frente, pois a carga viral dentro dos hospitais extremamente elevada". Aos que recorrem ao hospital com sintomas de covid, a recomendação é explícita: "Oriento o paciente a imprimir o termo de consentimento livre esclarecido e levar ao médico durante atendimento para que ele prescreva o protocolo do Ministério da Saúde."

Mortes

Em outras publicações, Garcês afirma que o país está vencendo a covid-19 e justificou ao avaliar os óbitos registrados na última sexta (26/6). ;Você sabia que foram anunciados 990 mortos ontem, sendo que desses apenas 497 foram nos três últimos dias e que o restante, 493 foram nos últimos 50 dias? Isso quer dizer que se pegarmos apenas os óbitos das últimas 24hs encontraremos um número bem baixo de óbitos;, revelou.


O Ministério da Saúde chegou a informar que quer divulgar os casos e mortes por data de ocorrência, mas até o momento divulga os registros inseridos no sistema nas últimas 24 horas, independente de quando ocorreram.


Contra as recomendações

As atitudes expostas nas redes sociais do coordenador contradizem as recomendações do próprio Ministério da Saúde. O uso de máscaras em todos os ambientes, incluindo lugares públicos e de convívio social, por exemplo, é recomendado pelo órgão desde o início da pandemia no Brasil. Mês passado, a pasta oficializou algumas recomendações por meio de uma portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) assinada pelo ministro interino, Eduardo Pazuello.

Além do uso da máscara, ao indicar cuidados gerais a serem adotados individualmente pela população, o ministério também recomenda que se evite situações de aglomeração e a distância mínima de um metro entre pessoas em ;lugares públicos e de convívio social".

Também no mês passado, Ministério da Saúde encaminhou um e-mail aos servidores para orientar o uso das redes sociais, alertando que, apesar de serem ferramentas ;úteis e práticas;, às redes sociais ;devem ser usadas com cuidado;.

;Quem vê seu perfil ou posts nas redes sociais, seja no WhatsApp, Facebook, Twitter e outras, está vendo também os comentários, fotos e informações de um agente público. As redes sociais são ferramentas muito úteis e práticas, mas devem ser usadas com cuidado;, dizia a mensagem assinada pela Comissão de Ética da pasta.

O Correio tentou contato com Garcês pelas redes sociais e não recebeu resposta até a última atualização. De acordo com o Ministério da Saúde, o servidor informou "que estava no livre exercício de cidadania ao participar da manifestação, que usou máscara durante todo o período em que esteve no ato e a tirou para fazer fotografia, mantendo distanciamento adequado de outras pessoas. Garcês ainda diz que está reavaliando as mensagens, deixando clara sua posição em favor da democracia.;

Em relação à mensagem de orientações do uso das redes sociais divulgada aos servidores, a pasta disse tratar-se de conduções previstas no Código de Ética do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal e que são similares a recomendações adotadas por diversas empresas do país. "A orientação não interfere na liberdade de expressão individual", concluiu.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação