Brasil

MPRJ reabre inquérito que investiga Fabrício Queiroz por assassinato

Investigação começou há 17 anos e também envolve o ex-policial Adriano Nobrega, morto no início deste ano na Bahia

Jéssica Gotlib
postado em 13/07/2020 17:15
Fabrício Queiroz foi preso em junho por outra investigação, sobre as rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio O promotor Cláudio Calo Sousa determinou a reabertura de um inquérito policial que investiga por assassinato Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos/RJ), e o miliciano Adriano Nóbrega, morto em fevereiro deste ano na Bahia.
Sousa, que assumiu a 3; Promotoria de Justiça de Investigação Penal Territorial no Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) em março, identificou falhas na investigação contra os dois ex-policiais e determinou que o caso fosse reaberto. A vítima foi o estudante Anderson Rosa de Souza, de 29 anos, baleado durante operação na Cidade de Deus em 2003.
Na época, o caso foi registrado como ;homicídio proveniente de auto de resistência;, com a alegação de confronto por parte dos policiais. Apesar disso, a 32; Delegacia de Polícia do Rio de Janeiro nunca chegou a concluir a investigação nos 17 anos que transcorreram desde o fato.
Entre os problemas identificados pelo MPRJ, estão a falta de depoimentos dos familiares, de exame dos fuzis usados pelos policiais e perícia para averiguar resíduos nas mãos da vítima. Outros detalhes constantes nos autos também contradizem a história dos investigados, como a alegação de que só dois dos cinco policiais fizeram disparos em uma troca de tiros e apontamentos feitos no laudo cadavérico, que mostra que Souza foi atingido com três tiros, sendo dois pelas costas.
O caso foi revelado pelo programa Fantástico, da TV Globo, que conversou com a viúva do estudante no último domingo (12/7). Segundo ela, testemunhas teriam ouvido o marido implorar pela própria vida.

Escritório do crime e rachadinhas

O ;Capitão Adriano;, como era conhecido o ex-integrante do Bope, chegou a ser acusado de comandar um dos principais grupos de milícia do Rio de Janeiro, o ;Escritório do Crime;. Nóbrega estava foragido quando também foi morto em ação policial em fevereiro deste ano na Bahia. Além das ligações com a milícia, a mãe e a esposa do ex-policial são suspeitas de participar do esquema de rachadinhas no gabinete do então deputado estadual, atual senador, Flávio Bolsonaro (Republicanos/RJ).
Essa é mais uma peça do emaranhado de crimes que envolve a imagem de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Bolsonaro. Ele é apontado como o principal operador do esquema das rachadinhas e começou a trabalhar para Flávio em 2007, quatro anos depois do assassinato de Anderson Rosa de Souza. Queiroz ficou foragido entre dezembro de 2018 e junho de 2020.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação