Brasil

Cuidados redobrados

postado em 03/08/2020 04:12
O músico Sávio Lobato é deficiente visual e enfrentava dificuldades com o transporte muito antes de o novo coronavírus aparecer. Agora, o risco de contágio está em cada passo de Sávio. ;Como não enxergo, meu maior desafio é que tenho de pedir auxílio nas paradas para identificar meu ônibus;, afirma. Segundo a oftalmologista Glaucia Matos, do Visão Hospital de Olhos, ;durante a pandemia, essas particularidades cotidianas do deficiente visual, tal qual a exploração tátil, os deixam mais vulneráveis ao risco de contaminação. Além disso, nem sempre eles sabem se estão mantendo uma distância segura das outras pessoas na rua;.

Lobato conta que passou a evitar os ônibus, sempre que possível. ;O isolamento também diminuiu o número de pessoas nas ruas e, para a gente conseguir ajuda no transporte ou mesmo atravessar a rua está bem mais difícil;, lamenta. Como forma de se proteger, o músico tem lançado mão de aplicativos para pedir carros com motorista. ;Estou fazendo, por exemplo, para ir ao trabalho, que é perto de minha casa;, conta.

Corrente do bem
Com ou sem pandemia, pessoas com deficiência precisam contar com a solidariedade de desconhecidos para atravessar a rua ou embarcar no transporte público. ;Daí a importância de todos manterem as precauções e higiene;, pontua a oftalmologista Glaucia Matos.

Logo que a pandemia começou, as redes sociais encheram-se de bons exemplos de pessoas se oferecendo para ajudar os idosos. Aproveitando o gancho, Fernando Rodrigues, deficiente visual, professor de braile e presidente do Instituto de Promoção das Pessoas com Deficiência Visual, teve a ideia de tentar ampliar a solidariedade.

;Observei que não tinha nenhum grupo para ajudar pessoas com deficiência visual. Aí, resolvi criar uma rede de voluntários e comecei a divulgar. As pessoas começaram a se inscrever para ajudar deficientes a ir ao mercado, à farmácia, levar ao hospital e fazer algumas transações bancárias virtuais, já que a maioria dos serviços virtuais não é acessível (aos deficientes);, relata. ;Cada vez aparece mais gente para contribuir;, diz Fernando. ;Temos voluntários em cada cidade do DF e até no Entorno, como em Formosa e em Águas Lindas.; (RR)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação