Publicidade

Correio Braziliense

Mais 60 barreiras vão substituir pardais

Secretaria de Transportes ainda não definiu os locais de instalação. Hoje, GDF anuncia qual tipo de obstáculo será colocado no canteiro central do Eixão


postado em 08/05/2008 08:44 / atualizado em 08/05/2008 09:08

Sob a expectativa de Brasília completar um milhão de veículos registrados, as autoridades discutem medidas para chegar a esse número com mais segurança no trânsito. Hoje, às 9h, a capital federal conhecerá a solução encontrada pelo Governo do Distrito Federal e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para reduzir a violência do trânsito no Eixo Rodoviário traçado por Lucio Costa. No Detran/DF, o novo diretor-geral, o coronel da reserva da Polícia Militar Jair Tedeschi, 60 anos, anunciou que a prioridade será para pedestres, ciclistas e fluidez do trânsito. O presidente do Iphan, Alfredo Gastal, adiantou que a solução para o Eixão “será algo que aumente a segurança e não fique um monstrengo”, referindo-se ao cuidado para não agredir o plano urbanístico de Brasília. “Chegamos a um consenso e vamos apresentá-lo amanhã (hoje), só posso dizer que será um obstáculo”, afirmou o secretário de Transportes, Alberto Fraga, que apresentou seis sugestões ao Iphan. Metade delas prevê barreiras de concreto, de plástico com água dentro ou peças metálicas removíveis. As outras são os tachões na faixa central ou um canteiro gramado ou rebaixado. No Detran, a proposta é reforçar a fiscalização e realizar campanhas educativas para reduzir acidentes. Tedeschi não citou prazos. Sessenta barreiras eletrônicas estão em licitação, mas ainda não há estudos que delimitem o local onde serão instaladas. “As barreiras deverão substituir os pardais que estão fixados, de modo escondido, para multar os motoristas”, disse Fraga. Em 2007, o Detran registrou 427 acidentes com mortos. Desses, 29% eram pedestres. Até fevereiro deste ano, ocorrerem 65 acidentes fatais, contra 42 no mesmo período de 2007. Tedeschi anunciou mais rigor na fiscalização e o uso de helicóptero para ações nas ruas. “Também faremos campanha educativa. Qual é a educação que o pedestre recebe?”, afirmou, sem definir prazo. “Também haverá mudanças nas provas para tirar carteira. Ainda estamos estudando isso. Queremos uma prova que efetivamente avalie o candidato”, acrescentou. Tedeschi disse que em 30 dias responderá às reivindicações de aumento dos servidores. Ele garantiu que irá analisar a proposta dos servidores de contratar funcionários por meio de concurso público e não da criação da Companhia Metropolitana de Trânsito (CMT). “Terei que apresentar propostas para aumentar o quadro de funcionário. Mas a CMT é uma decisão de governo.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade