Publicidade

Correio Braziliense

Secretaria de Segurança Pública terceiriza emergência

Até o fim do mês, civis atenderão as primeiras chamadas do 190, no lugar de policiais militares que voltarão às ruas. Central telefônica com 60 canais entrará em operação


postado em 04/06/2008 08:50 / atualizado em 04/06/2008 11:42

Quem ligar para o 190, telefone de emergência da Polícia Militar, ou para o 193, do Corpo de Bombeiros, vai ser atendido, em breve, por um dos cerca de 30 civis com idade média de 19 anos. A Secretaria de Segurança Pública está terceirizando o serviço de primeiro atendimento do Centro Integrado de Atendimento e Despacho (Ciade). O valor do contrato não foi divulgado, mas a licitação já foi concluída e a empresa vencedora deve distribuir os funcionários nos cargos até o fim do mês. Atualmente, o atendimento é feito por soldados e cabos da Polícia Militar, que devem voltar para as ruas.

A meta da Secretaria de Segurança Pública é que todas as ligações para os telefones de emergência sejam atendidas — hoje o índice está em 92%. Para isso, o governo local vai adiquirir uma nova central telefônica de 60 canais. A maioria dos funcionários deverá ter até 25 anos. “Uma de nossas exigências foi que essas pessoas tenham pelo menos ensino médio completo”, ressaltou coronel Oliveira Ramos, chefe do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops).

Ele explicou que somente o primeiro atendimento será feito pelos civis. Depois da triagem, a ligação será transferida para o despacho — que aciona as viaturas na rua para atender o chamado —, feito somente por PMs, bombeiros, agentes da Polícia Civil e do Detran. “Eles passarão por um treinamento de três meses. Primeiro vão ter aulas teóricas e depois ficarão ao lado dos atendentes, ouvindo as ligações em um fone de ouvido, para assim conhecer melhor o trabalho”, explicou o coronel Adauto Filho, responsável pelo treinamento dos novos funcionários.

Trotes
Os atendentes receberão treinamento para identificar as ligações que não tratam de emergências, recebidas diariamente pelo 190 e pelo 193. “Só hoje (ontem), tivemos 600 ligações de pessoas querendo saber se haveria greve de ônibus.”, disse Adauto. Outro problema são os trotes, que totalizam 30% das cerca de 15 mil ligações recebidas pelo Ciade todos os dias.

As chamadas ocorrem em geral antes e depois dos horários das aulas. “São estudantes brincando no orelhão antes de começar a aula”, contou o sargento Vila, que coordenava o primeiro atendimento ontem à tarde. Os novos atendentes também deverão ter sangue frio para lidar com pessoas que têm problemas emocionais e ligam principalmente à noite, disse o coronel Adauto. Ele contou que já houve situações em que os policiais evitaram suicídios.

Vigilância
Outra iniciativa anunciada pela Secretaria de Segurança Pública ontem é a compra de cerca de 240 câmeras de vídeo que serão espalhadas pelo DF. “Ainda não sabemos exatamente onde ficarão, alguns lugares poderão ter mais câmeras que outros, dependendo da demanda de cada região”, adiantou o secretário, general Cândido Vargas.

As imagens serão exibidas em unidades descentralizadas conforme configuração que será definida pelo comando da segurança pública. No mesmo projeto, serão adquiridos equipamentos de GPS para as viaturas e computadores que permitirão o acesso a bancos de dados pelo policial que estiver na rua.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade