Cidades

Jovem escapa de seqüestro relâmpago no Setor Comercial Sul

;

postado em 11/09/2008 08:22
Um dos crime que mais cresce no Distrito Federal fez outra vítima e custou a vida de um dos bandidos na noite de terça-feira (09/09). Um estudante, que dirigia um Corsa Prata pela avenida W3, foi abordado por dois assaltantes no semáforo da 508 Sul. Um deles sentou no assento do passageiro e o outro no banco traseiro. Sob a ameaça de uma faca, o rapaz foi obrigado a dirigir em direção ao Setor Comercial Sul (SCS) e parar entre o Conic e a Galeria dos Estados. O ladrão que estava no banco de trás desceu do carro e, conforme a ocorrência registrada na 5ª Delegacia de Polícia, ficou parado como quem esperasse outra pessoa chegar. O condutor resolveu arrancar o carro e, atrapalhado, não conseguiu acelerar muito. Foi alcançado pelo homem que estava fora do carro e tentava entrar pela janela do motorista e agarrar a direção. O condutor perdeu o controle do carro e subiu na calçada ao lado da parada de ônibus da Galeria dos Estados. Ao bater numa árvore, o automóvel capotou, deu uma volta completa e caiu com as rodas no chão. Quando o estudante se deu por si, o bandido que estava no banco do passageiro havia fugido. Ele desembarcou atordoado e enxergou o outro assaltante ajoelhado sangrando muito devido aos ferimentos sofridos no capotamento. ;O que foi que você arrumou? Está machucado?;, perguntou para o seqüestrador. Já sem forças sequer para falar, o assaltante apenas olhou para o rapaz e caiu morto no chão. Por telefone, os agentes da 5ª Delegacia de Polícia foram avisados de que uma pessoa havia sido atropelada perto do Conic. Ao chegar no local, constataram a ocorrência de um seqüestro relâmpago, crime que tem feito parte da rotina dos brasilienses. O socorro foi chamado, mas o bandido já estava morto. Em depoimento na delegacia, o motorista disse que reagiu por impulso e que só queria fugir. Além do susto, ele sofreu apenas arranhões no braço. ;O desfecho desse crime foi atípico e temerário. Poderia ter sido pior para o motorista do Corsa. Ele poderia ter sido esfaqueado pelo ladrão ou até ter morrido quando o carro capotou;, disse o delegado-chefe da 5ª Delegacia de Polícia, Ricardo Yamamoto. Ele recomenda que nunca se deve reagir a abordagens de assaltantes. ;Esse rapaz teve sorte;, completou. Os policiais começaram as buscas para localizar o assaltante que fugiu. ;Também comuniquei ao Instituto de Criminalística para que colha as digitais do homem que morreu e possamos identificá-lo;, disse Yamamoto. O seqüestro relâmpago é juridicamente denominado roubo com restrição de liberdade e tem pena prevista no Código Penal de quatro a 10 anos de prisão. Yamamoto explica que, dependendo das agravantes, pode ser acrescida de metade do tempo, o que aumenta a pena para seis a 15 anos de cadeia. Nos primeiros quatro meses de 2008, houve 11 seqüestros relâmpagos nas asas Sul e Norte. Um aumento de 150% em relação ao mesmo período do ano passado. O aumento das ocorrências se deu a despeito da prisão de uma quadrilha brasiliense especializada no delito em abril de 2007. Cinco homens e duas mulheres acabaram detidos por agentes da Divisão de Repressão a Seqüestro (DRS) um dia depois de raptar e extorquir um senhor de 53 anos em Sobradinho.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação