Publicidade

Correio Braziliense

Voluntários levam saúde à população

 


postado em 03/11/2008 08:25 / atualizado em 03/11/2008 08:25

Um pouco de tempo e dedicação foi suficiente para melhorar a saúde de moradores da Candangolândia. Desde o início do ano, um grupo de médicos voluntários presta atendimento gratuito na cidade e promove palestras de prevenção. O Instituto Trabalhando pela Vida é um dos três finalistas na categoria Saúde do prêmio Mãos da Cidadania, realizado pelo Correio Braziliense. O objetivo da premiação é homenagear iniciativas solidárias do Distrito Federal. Há oito anos, os profissionais de saúde começaram a oferecer palestras no Plano Piloto. Médicos, nutricionistas e professores de educação física percorriam quadras residenciais das asas Sul e Norte para levar qualidade de vida à comunidade. Surgiu a necessidade de expandir o trabalho. O instituto se consolidou em um centro comunitário da Candangolândia e hoje conta com um consultório para receber os moradores. Todos os sábados, os voluntários recebem os pacientes. Casos mais graves são encaminhados a hospitais. No último sábado, Olga Francisca Pereira, 76 anos, chegou cedo ao posto de atendimento para a primeira consulta. Ela soube do serviço e decidiu conhecê-lo para uma revisão. O médico cardiologista Antônio Paulo Filomeno, um dos idealizadores do projeto, mediu a pressão de dona Olga, perguntou sobre alimentação, remédios que ela toma, e deu a boa notícia: pulmões limpos e pressão controlada. “A gente vai ao posto e demora meses para marcar uma consulta simples, como a que fiz hoje. Já aqui, é só chegar e ser atendida. Peço a Deus que eles não saiam daqui, pois o atendimento é muito bom, ainda mais para mim, que moro aqui perto”, afirmou Olga. Com aprovação O instituto recebeu aprovação do Conselho Regional de Medicina para funcionar e aborda várias especialidades médicas durante as palestras. Um dos principais focos é a cardiologia — especialmente para prevenir e tratar e hipertensão —, já que boa parte dos pacientes é idosa. O próximo passo dos voluntários é criar uma farmácia comunitária na cidade. Eles recolhem amostras grátis de remédios que estão sobrando em hospitais do DF e as distribuem aos pacientes. Os cinco vencedores do prêmio Mãos da Cidadania serão escolhidos pelo público. Os 14 projetos finalistas já estão recebendo votos pelo site www.maosdacidadania.com.br. Até 12 de novembro, qualquer pessoa pode indicar os trabalhos preferidos na página virtual. Os ganhadores receberão o prêmio na noite do dia 20, em uma festa no Naoum Plaza Hotel. No dia seguinte, os leitores do Correio conhecerão os casos de sucesso em um suplemento especial. O concurso é apoiado pelo Banco do Brasil, GDF, Centro Universitário UniCeub e pela Claro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade