Publicidade

Correio Braziliense

Com idéias simples, eles fazem a diferença

 


postado em 16/11/2008 08:50 / atualizado em 16/11/2008 08:50

Dinorá Cançado, Francisco de Aquino, Francisco Ivan, Eduardo Buarque e Albenes Souza fizeram e fazem a diferença. Eles são os cinco vencedores da primeira edição do Prêmio Mãos da Cidadania, iniciativa do Correio Braziliense que impulsionou projetos sociais tocados por gente de todo o Distrito Federal. Entre os 70 inscritos, número que surpreendeu a organização, estão autores de iniciativas muitas vezes simples, sem grandes mistérios, mas que conseguem alcançar o objetivo de promover cidadania e solidariedade. São pessoas que decidiram doar um pouco do próprio tempo, cada vez mais escasso e corrido, para estender a mão a quem precisa. Sem demagogia alguma, eles ensinam que mudar o mundo está longe de ser utopia quando se decide começar a melhorá-lo de alguma forma.

Os internautas do Correiobraziliense.com.br votaram durante os 12 primeiros dias de novembro naqueles que consideraram os melhores projetos entre os 14 finalistas. Da votação virtual, na qual registaram-se 8.734 votos, saíram os cinco ganhadores, um em cada uma das categorias do prêmio: educação, cultura, tecnologia, saúde e esporte. Os finalistas haviam sido previamente selecionados por uma comissão julgadora formada pelo presidente do Clube do Choro de Brasília, o músico Reco do Bandolim; o triatleta Leandro Macedo e o chef de cozinha Dudu Camargo. A categoria tecnologia teve apenas dois finalistas — e não três como as demais — porque recebeu apenas duas inscrições.

Os vencedores receberão troféus na noite da próxima quinta-feira (20/11), em cerimônia no Naum Plaza Hotel. No dia seguinte, a edição do Correio trará uma revista especial em homenagem aos cinco ganhadores. Nela, os leitores terão a chance de constatar como simples iniciativas fazem a diferença na vida de muita gente no DF. “Todos os projetos inscritos mereciam a menção. O Mãos da Cidadania serve de exemplo para que outras iniciativas como essa surjam e façam a diferença”, comentou o superintendente de Relações Institucionais do Correio, Miguel Jabour.

Vencedores
Nos últimos dois meses, o Correio apresentou aos leitores um pouco do que são os projetos finalistas. Na categoria educação, venceu Luz & Autor em Braille, da professora Dinorá Couto Cançado. O projeto estimula a leitura em braille e propõe que livros e textos de jornais sejam transcritos para aquela linguagem. Na área de cultura, o projeto que mais agradou os internautas foi o Tudo o que Fizerdes ao Adolescente, do ex-interno da Papuda Francisco de Aquino. Ele coordena um trabalho para recuperar a auto-estima de crianças e adolescentes em situação de risco por meio da música, da dança, das artes plásticas e do teatro. O projeto Saia da Fila, de Francisco Ivan de Souza, levou a categoria tecnologia.

A Associação de Assistência aos Pacientes com Câncer, de Eduardo Johnson Buarque, sensibilizou os internautas e, em uma votação apertada, recebeu 79 votos a mais do que o segundo colocado, o projeto Instituto Trabalhando pela Vida. Na categoria esporte, destacou-se o projeto Corrida para o Futuro, de Albenes Francisco Souza. Nesse projeto, em Ceilândia, foram revelados grandes nomes do atletismo brasileiro como Marílson dos Santos e Clodoaldo Gomes. Mãos da Cidadania foi patrocinado pela Claro, Banco do Brasil e Centro Universitário UniCeub, com o apoio do Governo do Distrito Federal. O sucesso da primeira edição fixa o prêmio no calendário oficial de eventos do Correio Braziliense.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade