Publicidade

Correio Braziliense

Alimentação: a cozinha da sua casa é saudável?

Cuidados no preparo de refeições reduzem em até 99% o risco de contrair infecções por bactérias. Especialista da UnB dá dicas


postado em 19/05/2009 07:50 / atualizado em 19/05/2009 00:16

Nos últimos 10 anos, 2.911 pessoas foram contaminadas por doenças transmitidas por alimentos no Distrito Federal, segundo levantamento da Vigilância Sanitária. Houve 121 surtos dessas doenças durante o mesmo período. A maioria das infecções é contraída na rua, em restaurantes, onde é impossível ter controle de todos os processos de produção da refeição. Mas o perigo de pegar uma doença infecciosa também ronda as cozinhas das donas de casa que não atentam para a higiene. Cuidados básicos no preparo podem reduzir em até 99% os riscos de se contrair infeccção por bactérias. O alerta é feito pela professora Yolanda Silva de Oliveira, do Laboratório de Higiene de Alimentos do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília (UnB). Segundo ela, a vida cada vez mais corrida das donas de casa fez com que elas dispensassem algumas precauções e relegou os cuidados da cozinha para as empregadas domésticas. “Quem fica em casa e tem condições de prestar atenção a esses detalhes não costuma receber orientação”, comenta a professora. Yolanda ressalva, contudo, que a falta de cuidados ao preparar alimentos não se restringe a pessoas mais humildes. Pouca gente sabe, por exemplo, que não é aconselhável utilizar panos de prato para enxugar a louça. Esses tecidos apresentam as condições ideais para as bactérias se proliferarem, principalmente quando úmidos por muito tempo. A diarista Mara Pereira de Sousa, 42 anos, desconhecia os riscos de usar panos na cozinha, mas gostou de saber. “Deixar os pratos secarem no escorredor dá menos trabalho e a gente ainda economiza”, brinca. Mara, que trabalha atualmente numa casa da Asa Sul, conta que aprendeu vários truques com as patroas e passou a cuidar melhor da própria cozinha. “Lavo todas as frutas com água e sabão e ainda uso bucha”, conta a diarista. Mara também aprendeu com o tempo que objetos de madeira (como colher de pau, tábua de carne e rolo de macarrão) não devem mais entrar na cozinha. A madeira acumula matéria orgânica e absorve umidade, o que favorece a multiplicação de bactérias — e ela ainda é mais difícil de limpar. O indicado é substitui-la por utensílios de plástico branco. Os cuidados devem ser tomados desde a compra da comida, como indica o promotor Guilherme Fernandes, da 4ª Promotoria de Defesa do Consumidor. Fernandes conduz, desde a última sexta, uma investigação sobre a presença de insetos em alimentos hortifrutícolas minimamente processados, como saladas que já vêm prontas. “Uma das amostras chegou a apresentar fragmentos de 15 insetos”, conta o promotor. A dica dos especialistas, nesse caso, é buscar carimbos de órgãos de fiscalização nos rótulos. Alimentos de origem animal são os que merecem mais atenção, segundo a professora Yolanda. Para se precaver, é melhor cozinhar as carnes até o centro. “Como hoje as pessoas de uma mesma família comem em horários diversos, o ideal é que, entre uma refeição e outra, o alimento seja guardado nas geladeiras”, sugere Yolanda. Dentro da geladeira, produtos prontos para o consumo devem ficar nas prateleiras de cima. Assim, um alimento que esteja descongelando não contamina o que já vai para a mesa. » Interatividade: Conte os cuidados que você toma no preparo de alimentos: leitor.df@diariosassociados.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade