Publicidade

Correio Braziliense

Marcelo Caron enfrenta o banco dos réus


postado em 07/07/2009 11:32 / atualizado em 07/07/2009 13:01

Começou às 10h desta terça-feira (7/7), no Fórum de Taguatinga, o julgamento do ex-médico Denísio Marcelo Caron. Esta é a primeira vez que Caron senta no banco dos réus acusado pela morte de duas brasilienses, a funcionária da Terracap Adcélia Martins de Souza, 39 anos, e a universitária Graziela Murta Oliveira, 26 anos. As duas perderam a vida ao se submeterem a cirurgia de lipoaspiração, em 2002.

Sem demonstrar nenhuma emoção e aparentemente bem tranquilo, o ex-médico se apresentou diante do júri, composto por quatro mulheres e três homens. No início, o advogado de defesa chegou a solicitar a separação dos processos numa tentativa de adiar o julgamento, mas não teve sucesso. A primeira testemunha de acusação ouvida foi Patrícia Murta, irmã de Graziela. Patrícia contou que Caron garantiu ser o melhor profissional do Brasil na área. Segundo ela, quem indicou o médicol foi uma massagista da universitária. A mulher disse à Graziela que conhecia uma pessoa que havia passado pelo procedimento.



A testemunha de acusação relatou ainda que, um dia após a cirurgia, Graziela teve febre alta e vomitou por diversas vezes. Mesmo com a preocupação da família, o médico afirmou que os sintomas eram naturais devido ao tipo de intervenção cirúrgica que ela havia sofrido. Procurado diversas vezes, Caron afirmou à família que estava em Goiânia cuidando de seus cavalos e que não poderia se ausentar. Patrícia disse ainda que a irmã foi internada no Hospital Santa Helena, na Asa Norte, seis dias depois. A vítima ficou por três dias na UTI. Ela passou por sessões de drenagem linfática, feitas por Caron. Logo depois, teve parada cardíaca e após um mês morreu.

 

Recusa

Tereza Murta, mãe de Graziela, foi a segunda testemunha de acusação a depor. "Minha filha sempre quis fazer essa cirurgia. Ela ficou encantada com o que escutou do médico e nem pesquisou outros", disse. A mãe da vítima afirmou que a filha desembolsou R$ 4 mil pela cirurgia. Tereza disse também que, enquanto a filha passava mal em casa, ela sugeriu levá-la a outro profissional, mas Graziela se recusou. "Ela dizia que Caron a abandonaria."

A terceira testemunha de acusação foi a anestesista Olívia Mota. A médica participou da cirurgia de Graziela. Em breve depoimento, ela afirmou que as questões técnicas na área da anestesia foram normais. No entanto, relatou que o médico não contou com a ajuda de um cirurgião auxiliar. Caron teria alegado que a intervenção era simples. Mas, segundo Olívia, a cirurgia prevista para durar 40 minutos levou quatro horas.


Serão ouvidas ainda outras três testemunhas de acusação. Três pacientes que tiveram cirurgias bem sucedidas vão testemunhar em defesa de Caron. O julgamento é presidido pelo juiz Germano Oliveira Henrique de Holanda. O promotor é Leonardo Jube e o assistente de acusação é João Tadeu Neto.


O crime

Adcélia morreu em 29 de janeiro no Hospital Anchieta, em Taguatinga. Graziela teve complicações e resistiu internada até fevereiro. Caron foi denunciado por homicídio qualificado, por motivo torpe (duas vezes), pela omissão e pelo exercício ilegal da medicina. Se condenado, pode pegar de 12 a 30 anos de prisão.


Além das duas acusações na capital do país, o ex-médico responde pelos homicídios de outras três pacientes em Goiânia. O promotor Diáulas Ribeiro, do Ministério Público do DF, iniciou as investigações. Todas as vítimas perderam a vida em operações plásticas. A última condenação de Caron ocorreu em abril deste ano. O Tribunal de Justiça de Goiás o sentenciou a oito anos de prisão em regime semiaberto pela morte de Janet Virgínia Novais Falleiro, em 14 de janeiro de 2001. Também teve de pagar R$ 30 mil à família da vítima. A advogada não resistiu a complicações decorrentes de uma lipoescultura.


Caron recebeu condenação anterior na Justiça goiana. Em 2003, pagou R$ 88 mil a Marlene Maria Alves, uma das 17 pacientes com graves sequelas após se submeter a cirurgia com o ex-médico. Além das cinco mortes, ele responde a processos por estelionato, desvio de dinheiro público, formação de quadrilha, furto, uso de documentos falsos e falsificação de documentos públicos e particulares. Diáulas comprovou ainda que Caron usou diploma falsificado de especialização em cirurgia plástica para conseguir registro profissional no Conselho Regional de Medicina de Goiás.

Com informações de Guilherme Goulart

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade