Cidades

Viaduto promete desafogar trânsito na QNL de Taguatinga

Juliana Boechat
postado em 06/01/2010 07:40
Não importa o horário. Os motoristas que passam na altura da QNL de Taguatinga, seja no intervalo para o almoço, no meio da tarde ou na hora de voltar para casa, enfrentam engarrafamentos demorados. Ponto de ligação entre Taguatinga, Ceilândia e Samambaia, o local concentra um grande número de veículos durante todo o dia. Da forma que as pistas estão dispostas hoje, o semáforo é necessário para organizar o trânsito. Mas, com o passar do tempo, ele se tornou o maior problema dos motoristas ao segurar o tráfego a cada poucos minutos. A fim de diminuir os transtornos, o Governo do Distrito Federal está construindo um viaduto no local e ainda uma nova pista entre Ceilândia e Samambaia.

Cerca de 130 mil carros passam diariamente pelo cruzamento da QNL, próximo ao Estádio Serejão. Os veículos seguem de Samambaia para Taguatinga e em sentido oposto. Outros saem da parte sul de Ceilândia em direção a Samambaia. E ainda há os motoristas que vão do Centro de Taguatinga para as QNLs e vice-versa. Com a nova obra, grande parte desses carros poderá trafegar livremente, sem parar em semáforos. O trânsito será dividido: parte passará por cima do viaduto e outro grupo seguirá pela pista embaixo dele.

As vias que ligam Samambaia a Taguatinga - e o sentido oposto - serão desviadas para baixo do viaduto. Na atual situação, os carros ficam até mais de 30 minutos parados em engarrafamentos até chegarem ao semáforo da QNL e, só então, seguirem caminho. A pista atual deixará de existir. Já o viaduto deverá suprir o problema dos moradores de Ceilândia que chegam até o cruzamento da QNL para seguir até Samambaia, por exemplo. Em vez de parar no sinal, eles seguirão livremente pela pista suspensa.

Pouco mais de um ano depois do início das obras, as pistas estão pavimentadas, mas ainda fechadas para o tráfego. O viaduto está parcialmente pronto, com estruturas de concreto erguidas - já pichadas de tinta cor de rosa. Mas ainda falta terminar a outra metade e construir os acessos a ele. Os pedestres, até então acostumados a atravessar as pistas nos semáforos, serão obrigados a andar um pouco mais para garantir a segurança. Como os aparelhos serão retirados do cruzamento, sobrará apenas uma passarela em um ponto mais à frente da via da QNL.

Outra pista, com o mesmo formato da que liga Samambaia a Taguatinga, próximo ao cruzamento, está sendo construída um pouco mais adiante. As duas vias são praticamente paralelas. A nova atenderá, principalmente, aos moradores de cidades próximas a Ceilândia ou à parte sul de Samambaia. Atualmente, esses motoristas têm de seguir até o cruzamento para se deslocar a outras cidades. A partir de fevereiro, no entanto, eles terão mais uma opção e poderão cortar caminho pela nova rua.

A previsão é de que em fevereiro as pistas nos dois sentidos sejam liberadas para uso. Da via que liga Taguatinga a Ceilândia, é possível conferir o andamento da obra. Grande parte está asfaltada. Mas, no sentido Samambaia/Taguatinga, ainda faltam 2,5km de pavimentação. O sentido contrário está asfaltado do início ao fim. Segundo o secretário de Obras, Jaime Alarcão, os trabalhos de pavimentação são prejudicados neste período do ano devido à grande quantidade de chuvas. Mas ele garantiu que, em dias sem precipitações, a dedicação é nos três turnos.

Para o secretário, as obras resolverão grande parte do problema no local. Além de facilitar o trânsito próximo ao cruzamento, moradores de cidades mais afastadas ganharão uma opção de via para se locomover e chegar mais rápido ao destino. "Hoje em dia, os moradores de Águas Lindas, por exemplo, são obrigados a dar uma grande volta para sair da cidade. Agora, vai haver mais opção de pista e vai diminuir bastante a distância para grande parte da população da região", acredita. O valor da obra, que deve ficar pronta em fevereiro, será de R$ 16,9 milhões ao GDF.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação