Publicidade

Correio Braziliense

Metrô-DF vai ajuizar ação para analisar a greve anunciada pelos metroviários


postado em 09/03/2010 19:28 / atualizado em 09/03/2010 19:31

O Metrô-DF vai ajuizar ação junto ao Tribunal Regional do Trabalho para verificar se a greve anunciada pelos metroviários nesta segunda-feira (8/3) não é abusiva. De acordo com o diretor de operação e manutenção do Metrô-DF, José Dimas Machado, a decisão foi tomada após uma reunião nesta terça-feira (9/3) entre o sindicato e o governo.

Segundo o diretor, a categoria não deu a oportunidade de uma contra-proposta. "O sindicato alegou falta de negociação, mas nós estamos no meio da data-base (período do ano em que patrões e empregados se reúnem para repactuar os termos dos contratos coletivos de trabalho) da categoria. Essa greve é uma surpresa", diz. Segundo José Dimas, a categoria pede 120% de reajuste salarial. "A folha de pagamento triplicaria com esse reajuste", explica.

Para o secretário de assuntos jurídicos do Sindicato dos Metroviários, Renato Marcos Mourão, esse número representa uma recomposição de perdas, já que a categoria é a que tem os salários mais baixos entre os concursados do governo. "Hoje perguntaram na reunião qual era o gasto que o governo tem com a folha salarial dos metroviários, e eles responderam que era R$ 4 milhões. Só o aumento que eles deram para os funcionários do Detran corresponde à R$ 10 milhões. O governo não gasta nem metade com a nossa categoria do que gasta com outras", argumenta. O salário-base dos metroviários é de R$1.200.

De acordo com o representante do sindicato, desde o dia 19 de janeiro a categoria enviou uma pauta de negociações com 72 cláusulas, mas que ainda não havia tido resposta sobre elas. "Em menos de um mês o governo não conseguiria analisar tudo", justifica. Para

José Dimas, a categoria está aproveitando o momento em que Brasília vive para conseguir que as reinvidicações sejam atendidas. "Eles poderiam ter esperado até abril para anunciar a greve, caso não conseguíssemos um acordo", analisa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade