Publicidade

Correio Braziliense CORPO ENCONTRADO

Outro mistério em Luziânia

Familiares de rapaz de 24 anos reconhecem cadáver achado em uma mata perto de casa como sendo dele. O jovem, que não tinha passagens pela polícia, estava desaparecido desde o último dia 26


postado em 08/04/2010 08:26

Mais um crime misterioso desafia a polícia de Luziânia, município goiano localizado a 66km de Brasília. Familiares do auxiliar de serviços gerais Jadson Rodrigues da Silva, 24 anos, que estava desaparecido havia 10 dias, reconheceram o corpo encontrado na última terça-feira em um matagal do Bairro Mansões Recanto Parque Estrela Dalva 2 como sendo dele. Embora em estado avançado de decomposição, parentes disseram que havia marcas de violência na cabeça do cadáver encontrado.

Maria de Fátima vasculhou matagal e achou o corpo do filho(foto: Valério Ayres/Esp. CB/D.A Press )
Maria de Fátima vasculhou matagal e achou o corpo do filho (foto: Valério Ayres/Esp. CB/D.A Press )
O corpo do filho caçula da copeira Maria de Fátima Rodrigues Marra, 47 anos, estava numa mata perto de casa. Fátima o reconheceu por seu biotipo forte e pela vestimenta com que saiu de casa no último dia 27. O rapaz saiu por volta das 13h do último dia 26 de sua residência e disse que iria visitar uma amiga, no Bairro Jofre Parada. Desde então, não foi visto mais. O jovem usava camiseta azul com mangas pretas e bermuda desta última cor. A mãe disse que ele chegou a ligar para ela no dia seguinte, sábado, explicando que a bateria do seu telefone celular havia descarregado e que logo estaria em casa.

Depois de registrar o desaparecimento de Jadson no Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), no dia 1º, os familiares começaram uma busca pelo local onde moram. Mas nada encontraram. Até que, na terça-feira, às 13h, um vizinho chegou à casa de Fátima e comentou sobre o mau cheiro exalado do matagal. que fica nas proximidades da residência dela. Fátima e o companheiro, Milton da Costa, 63 anos, padrasto de Jadson, se embrenharam na mata.

O casal e o vizinho chegaram a uma trilha de pegadas humanas, quando Milton gritou: “É um homem morto!”. Depois se ouviu o choro de Fátima: “Um homem, não. É o Jadson”, disse a copeira. Ela destacou que o reconheceu justamente pela roupa e pelo aparelho celular. Aparentemente, o casal não percebeu a falta de nenhum objeto pessoal do rapaz. “Meu filho não fazia mal para ninguém”, garante Fátima. O corpo encontrado está no Instituto de Medicina Legal (IML) do município. Hoje, Fátima será submetida a uma coleta de material genético para confirmar se o cadáver é mesmo de Jadson.

O delegado-chefe do Ciops, Rosivaldo Linhares, não acredita que o caso tenha relação com o desaparecimento dos seis jovens(1) que também residiam no Parque Estrela Dalva. Mas a polícia ainda não tem uma linha de investigação que leve ao culpado da morte de Jadson. “Ele não tinha passagem pela polícia, mas o caso não se parece com os demais”, comparou Linhares, sem explicar a tese.

Reforço
Foram nomeados ontem, em Goiânia, mais aprovados no último concurso para agente e delegado de polícia. Uma das cidades beneficiadas é Luziânia. A região terá mais 32 delegados. Havia no quadro 17. O município também ganhou 80 novos agentes. O reforço no contingente policial será aplicado no combate ao tráfico de drogas e nas investigações de homicídios. Na edição de terça-feira última, o Correio mostrou que de 130 mortes violentas ocorridas no município, de janeiro de 2009 e o mesmo mês deste ano, quase 90% continuam sem respostas.

O Ministério Público de Goiás denunciou ontem os irmãos Eduardo Alves e Aldo Aparecido Siqueira por abuso sexual que teria sido praticado contra cinco crianças e adolescentes em Niquelândia (GO), onde os dois estão presos sob suspeita de terem relação com o desaparecimento de Márcio Luiz de Sousa Lopes, 19 anos, no dia 22 de janeiro. Márcio morava no Parque Estrela Dalva 4. Se condenados, os irmãos podem pegar até 15 anos de prisão.

1 -
Sem notícias
Seis jovens desapareceram do Parque Estrela Dalva entre o fim de 2009 e o início deste ano. O primeiro a sumir foi Diego Alves Rodrigues, 13 anos, em 30 de dezembro. A polícia também procura Paulo Victor Vieira de Azevedo Lima, 16, George Rabelo dos Santos, 17, Flávio Augusto dos Santos, 14, Divino Luiz da Silva, 16, e Márcio Luiz de Sousa Lopes, 19.

"O caso não se parece com os demais"
Rosivaldo Linhares, delegado-chefe do Ciops

De mudança

A morte de Jadson tirou o ânimo de Sirlene Gomes de Jesus, 42 anos, mãe de George Rabelo dos Santos, 17, desaparecido há quase três meses. “Estou com medo que meu filho esteja morto também”, contou. Depois de oito anos a morar no mesmo endereço, ela resolveu deixar o Parque Estrela Dalva 8. Ela ganhou um lote em outro bairro de Luziânia (GO) e se mudou ontem.

Sirlene levou o que podia em um caminhão. Além de móveis, carregou telhas, caixa d´água, portas e janelas. “Estou triste em deixar meu filho para trás, mas me sinto insegura aqui. Se eu teimar, vou acabar perdendo outro menino”, avaliou. A nova casa tem dois quartos, cozinha e sala. Vão morar nela o marido, a nora e mais cinco filhos. “Eu vi várias vezes um motoqueiro parado aqui na frente de casa. Não sei o que ele queria. Mas estou com medo”, admitiu.

Desde que George sumiu, em 10 de janeiro, Sirlene não consegue ter paz. Vestida sempre com a blusa estampada com a foto dele, a diarista desempregada diz que não consegue dormir sem tranquilizantes. Já mudou de remédio pela segunda vez. Agora, usa um medicamente de tarja preta. “Eu já pensei em me matar. É muito difícil esperar por um filho, sabendo que ele não vai chegar”, desabafou. (AF)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade