Publicidade

Correio Braziliense

Policiais e manifestantes entram em confronto na Câmara Legislativa


postado em 17/04/2010 16:09 / atualizado em 17/04/2010 19:19

>> Lilian Tahan
>> Yale Gontijo
>> Aerton Guimarães
>> Débrora Álvares
>>Luísa Medeiros

>> Ana Maria Campos
>> Ana Elisa Santana



Policiais e manifestantes se enfrentam na Câmara: feridos foram levados ao HBDF(foto: Iano Andradre/CB/D.A Press)
Policiais e manifestantes se enfrentam na Câmara: feridos foram levados ao HBDF (foto: Iano Andradre/CB/D.A Press)
Por volta das 16h05 deste sábado (17/4), no momento em que começou a transmissão ao vivo da sessão para as eleições indiretas na Câmara Legislativa (CLDF) nos telões colocados no lado de fora do prédio, teve início também um confronto entre manifestantes e policiais militares.

Dezenas de pessoas tentaram entrar na Câmara, mas a polícia impediu, fazendo um cordão e empurrando os manifestantes, que atiraram latas e pedaços de pau. "Polícia pra ladrão, pra estudante não" e "não reconheço essa eleição, aí dentro só tem ladrão" são algumas das palavras de ordem.

Quando os ânimos pareciam serenados, houve novo confronto, em outra entrada da Câmara Legislativa. Os policiais passaram a bater nos manifestantes com golpes de cassetete. Pelo menos três estudantes foram presos.

A confusão teria começado após os manifestantes jogarem cones de sinalização, bandeiras e peçados de madeira contra os policiais que faziam o cordão da isolamento na porta da CLDF. No entanto, eles reclamam que a polícia agiu com truculência. O estudante do Diretório Central de Estudantes da UnB Pablo Valente, com um ferimento na testa, afirma ter levado um tapa no rosto de um dos soldados da PM. "Eles sabem que o que estão fazendo está errado. Eles testavam se preocupando com as câmeras da imprensa", afirma ele. Outro manifestante ficou com hematomas no rosto e nas costas. Segundo ele, a polícia partiu para o ataque sem necessidade.

Gabriel Soares, estudante e participante do Movimento Fora Arruda, também nega que os manifestantes tenham jogado paus nos policiais. Segundo ele, como o protesto começou a atrair mais gente, foi "natural que o pessoal de trás empurrasse os que estavam na frente para mais perto dos policiais". "Quando nos aproximamos demais, os militares desceram a rampa batendo sem perguntar", afirmou o aluno da Universidade de Brasília (UnB).  O jovem foi atacado com spray de pimenta, levou golpes de cassetete na cabeça e chutes. Foi atendido no Hospital Santa Helena, no fim da W3 Norte, mas não sofreu fraturas. "Vamos prestar queixa contra os PMs", disse o universitário. Esse é pelo menos o quarto confronto entre manifestantes e a Polícia Militar desde a deflagração da Operação Caixa de Pandora.

O estudante Solon Carvalho foi levado, com cabeça ensanguentada, à emergência da CLDF e, logo depois, para o Hospital de Base. Ele é estudante de Relações Internacionais da Universidade de Brasília e saiu do prédio algemado, na companhia de policiais. Um tenente da PM ficou ferido depois de ser atingido por um pedaço de madeira e há, ainda, um segurança da Casa, identificado apenas como Edmilson, com suspeita de fratura no fêmur. Ele foi encaminhado ao Hospital Santa Helena.


Aguarde mais informações

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade