Publicidade

Correio Braziliense VAREJO

Lojistas elevam as apostas na copa


postado em 06/05/2010 09:28

O comércio vestiu-se de verde e amarelo na torcida por aumento nas vendas e já comemora o resultado da investida a um mês da Copa do Mundo. Segundo levantamento divulgado ontem pelo Instituto Fecomércio, 41% dos 61 lojistas consultados em todo o Distrito Federal começaram a perceber mais movimento por conta da competição, que este ano será realizada na África do Sul.

Decorar a loja com as cores do Brasil, bolar promoções, oferecer descontos e facilidades na forma de pagamento são estratégias adotadas por 78,7% dos entrevistados. A pesquisa mostra ainda que 88,52% dos comerciantes prepararam estoque especial para o período. A Fecomércio ouviu empresários dos ramos de vestuário, tecidos, lojas de departamento e variedades, eletroeletrônico, material esportivo e hipermercado.

O produto mais vendido, para 41% dos lojistas, será a camiseta da seleção canarinho. Na lista de outros itens,que provavelmente devem aumentar as vendas, aparecem a televisão (27,9%), os tecidos para confecção de bandeiras e faixas (13,1%), as bandeirinhas para automóveis (4,9%), os tênis e as sandálias, nas cores verde e amarelo, e as cornetas (3,3% cada), além de bolas (1,6%).

Quanto à forma de pagamento mais adotada na compra desses artigos, o levantamento apontou os cartões de crédito e débito na liderança (78,75%), seguidos pelo cartão da loja (13,1%), compras à vista (6,6%) e no crediário (1,6%). O Sindicato do Comércio Varejista do DF (Sindivarejista) estima aumento de 8% nas vendas de televisores e de 10% a 12% no caso dos artigos esportivos, em comparação com os meses sem Copa.

Brasilidade
Na avaliação do presidente do Instituto Fecomércio, Adelmir Santana, as vendas tendem a melhorar até o primeiro jogo do Brasil, em 15 de junho, contra a Coréia do Norte. “As pessoas se ligam muito nisso e as lojas se aproveitam do sentimento de brasilidade que aflora nessa época. Certamente, todo o comércio está se preparando, há sempre uma expectativa grande”, comentou.

Ambulantes começaram a vender nas ruas do DF bandeiras e cornetas. Nas feiras, as bancas também passaram a explorar os produtos com as cores da bandeira brasileira. As lojas de artigos esportivos reforçaram o estoque de camisetas, de todos os tamanhos e estilos. As lojas de eletroeletrônicos fazem previsões otimistas em relação às vendas de grandes televisores.

Donos de bares torcem para que os servidores públicos, em grande número na capital federal, sejam liberados do serviço no horário dos jogos da seleção comandada pelo técnico Dunga. As partidas do Brasil serão às 11h e às 15h. De qualquer forma, o setor se prepara com a instalação de telões, a compra de tevês de plasma e o investimento em ações promocionais. A Copa termina em 11 de julho. (DA)

GORJETA LIVRE DE IMPOSTOS
Os mais de 10 mil bares, restaurantes e lanchonetes do Distrito Federal estão isentos do pagamento de tributos incidentes sobre as gorjetas pagas a garçons e outros funcionários. Em resposta a uma ação impetrada pelo Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília (Sindhobar), em 2001, o Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região decidiu que não cabe tributação referente a valores arrecadados com os 10%, uma vez que eles são destinados aos empregados e não às empresas. A decisão é retroativa a 1991, ou seja, a 10 anos antes da data da ação. As empresas, como explica o presidente do Sindhobar, Clayton Machado, serão ressarcidas em sistema de compensação tributária daqui para frente. “Será um excelente retorno para as empresas, vamos deixar de ter um custo alto. A sentença do TRF representa uma vitória para a categoria”, comentou. A decisão é da semana passada, mas o sindicato só divulgou a informação ontem. Ainda cabe recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas Machado disse que as duas cortes já possuem decisões favoráveis aos empresários em casos semelhantes. O sindicato recomenda que donos de bares entrem em contato com a entidade para saberem detalhes dos efeitos da sentença judicial.

"As lojas se aproveitam do sentimento de brasilidade que aflora nessa época"
Adelmir Santana, presidente da Fecomércio

O número
78,7%
Percentual de empresários que investem na decoração e em promoções para aumentar as vendas

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade