Publicidade

Correio Braziliense

Alunos continuam sem o passe livre


postado em 14/07/2010 08:29

As férias escolares vêm amenizando o imbróglio entre o GDF e a empresa Fácil, que administra a gratuidade das passagens estudantis, o chamado Passe Livre. Desde 8 de junho, por falta de dinheiro em caixa, a empresa suspendeu a recarga dos cartões, procedimento repetido mensalmente pelos estudantes. Uma categoria específica, porém, vem sentindo no bolso a paralisação do serviço. São os alunos da Universidade de Brasília (UnB), que passaram dois meses sem aulas, em decorrência da greve dos professores, e terão o primeiro semestre letivo estendido até o início de setembro.

Morador de Ceilândia, o estudante de artes plásticas Eric de Araújo, 22 anos, está tendo que dormir na casa da mãe, na Vila Planalto, para gastar menos com as passagens de ônibus até a UnB. “A gente sabe que as empresas recebem milhões do governo e ficam enrolando os estudantes. É uma afronta à nossa inteligência”, protestou. Segundo ele, quem cursa ensino superior na universidade não tem tempo para arrumar um emprego com carga de 40 horas semanais. A renda, que já é reduzida, fica bastante comprometida pelos gastos com alimentação e transporte. O universitário lembra que ainda é preciso investir em livros e material complementar. “Há alunos que estão perdendo aula porque não têm dinheiro para a passagem.”

Segundo a Fácil, a recarga de cartões está suspensa até uma decisão do governo. Diante do impasse com os estudantes da UnB, a empresa informou que não há nada que possa ser feito, uma vez que os recursos destinados ao Passe Livre já se esgotaram. Em 30 de junho, o Legislativo aprovou um pedido de verba complementar de R$ 20 milhões, mas os recursos ainda não foram liberados.

A assessoria do governador Rogério Rosso informou que o impasse só será resolvido após 24 de julho, prazo final para que Rosso analise as planilhas cedidas pelas empresas de transporte público e decida sobre a necessidade, ou não, de um aumento nas tarifas. O governador também analisa um substitutivo ao projeto que encaminhou à Câmara criando mais regras para o Passe Livre. Antes dessa data, a assessoria garante que não há solução.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade