Publicidade

Correio Braziliense

Surdos fazem passeata por direito à acessibilidade e comunicação


postado em 22/09/2010 13:32 / atualizado em 22/09/2010 17:06

Na semana em que é lembrado o Dia Nacional do Surdo (26/9), cerca de 1000 portadores de deficiência auditiva reuniram-se, às 8h30 desta quarta-feira (22/9), no pátio do Museu da República para uma caminhada até a Praça dos Três Poderes.

De acordo com uma participante do movimento, a professora e intérprete de libras Andreza Macedo, a passeata serviu para reivindicar o ensino da língua de sinais desde o ensino fundamental nas escolas e a presença de intérpretes de libras em instituições públicas. "As pessoas não encaram o deficiente auditivo como alguém que necessita de atenção especial. O surdo também precisa de acessibilidade, assim como acontece com o cadeirante, que necessita de adaptações arquitetônicas para garantir o direito de ir e vir", argumenta a professora. E completa: "O que a comunidade surda quer é justamente o acesso à informação, que é o mais importante, porque a comunicação de um deficiente auditivo com um ouvinte não é eficiente".

As reivindicações foram entregues aos dois candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto ao Senado: Rodrigo Rollemberg e Cristovam Buarque.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade