Publicidade

Correio Braziliense

Distritais novatos começam a se articular para criar um bloco na CLDF


postado em 06/12/2010 08:19

Celina organizou o grupo dos novatos disposto a ter cargo na Mesa(foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press )
Celina organizou o grupo dos novatos disposto a ter cargo na Mesa (foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press )
Distritais de primeira viagem almejam conseguir um lugar no comando da Câmara Legislativa. Os novatos se articulam para integrarem blocos partidários capazes de os alçar na disputa por uma das cinco cadeiras da Mesa Diretora. A premissa de que os recém-chegados à Casa não têm preferência para ocupar as vagas é criticada por eles, que reforçam no discurso o mérito conquistado nas urnas. Os novos parlamentares querem representar o eleitorado em posições estratégicas e estão dispostos a enfrentar os colegas mais experientes para garantir o melhor lugar.

A deputada Celina Leão (PMN), eleita com 7.771 votos, foi a rapa do tacho no pleito de outubro passado. A secretária da Juventude do ex-governador Joaquim Roriz e ex-chefe de gabinete de Jaqueline Roriz (PMN) — que se elegeu deputada federal — entrou na última vaga da Casa, graças à regra do coeficiente eleitoral. Pupila do clã Roriz, Celina se distanciou da família depois da campanha. O desgaste teria sido ocasionado pela falta de  empenho de Liliane Roriz (PSC), eleita federal, à sua candidatura.

Ela montou um bloco com mais dois novatos, Washington Mesquista (PSDB) e Olair Francisco (PTdoB), conversa intensamente com outros colegas para dar mais envergadura ao grupo e diz que o objetivo é conseguir a Vice-Presidência ou a Primeira Secretaria. “Faço parte da renovação da Casa. Não pode haver preconceito com os novatos e limitar o trabalho deles. Nas últimas duas legislaturas, a oposição ficou com a vice. Seremos independentes do governo, mas não contra tudo”, afirmou Celina.

Passe
O bloco composto por três integrantes flutuantes, como a distrital gosta de afirmar, pode ganhar mais musculatura. Sob o pretexto de “jogar uma pelada”, deputados locais e federais participam, às sextas-feiras, de um campeonato de futevôlei numa mansão no Lago Sul. A articulação política está atrelada ao jogo. Praticante da modalidade esportiva, Celina tem como parceiro de bola o distrital Dr. Michel (PSL), eleito pela primeira vez com 13.256 votos. O delegado da 35ª DP (Sobradinho) chegou a dar depoimento em favor do futuro governador Agnelo Queiroz (PT) contra uma testemunha do caso da Operação Shaolin durante a campanha petista. Mas a manutenção do apoio ao time vermelho dependerá do valor do passe do jogador no universo político.

Dr. Michel deixou claro ao Correio que não se unirá a um bloco para ser engolido por caciques. O deputado mantém conversas abertas com governistas e oposicionistas. Defende o credenciamento adquirido nas urnas para exercer uma das cadeiras da Mesa Diretora ou a presidência de alguma comissão permanente. “Todos os 24 deputados têm o mesmo direito. Só posso me posicionar quando fizerem uma proposta viável. Estou próximo do governo, mas não quer dizer que seja submisso”, declarou. O delegado foi condecorado com o título de cidadão honorário, proposto distrital Eliana Pedrosa (DEM).

Parlamentar experiente, Eliana busca apoio para formar um grupo  na Câmara, depois da tentativa frustada de selar dobradinha com o ex-aliado PMDB. A casa onde ocorre o torneio de futevôlei é do irmão da deputada, o empresário Eduardo Pedrosa. Pessoas próximas à deputada dizem que ela pode abrir mão de um vaga na Mesa Diretora para conseguir a Presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Líder de governo
A intenção do PSB, PDT e PPS é formar um grupo que impulsione a base de governo e, assim, garantir um espaço mais qualitativo no Legislativo para Agnelo Queiroz. Os distritais Joe Valle, Israel Batista, Evandro Garla, Alírio Neto e Claúdio Abrantes, respectivamente, representantes das legendas, devem trabalhar em sintonia. Resta saber quem será o escolhido para um acadeira na Mesa Diretora. Na ala petista mais conservadora, Cláudio Abrantes (11.047 votos) leva vantagem, inclusive na corrida para o cargo de líder de governo. Conhecido por encenar Jesus Cristo na Via Sacra de Planaltina, ele concorreu nas eleições de 2006, mas só conquistou  a segunda suplência do PPS. Exerceu o mandato por nove meses durante afastamento de Alírio Neto, nomeado secretário de Justiça.

As apostas são de que Israel Batista trilhe o mesmo caminho de José Antônio Reguffe (PDT), eleito deputado federal. A plataforma da ética e contrária aos excessivos gastos públicos deve permear o discurso do novato.

Aula para os calouros
» Os novos distritais foram convidados a participar de um seminário de ambientação na Câmara Legislativa. Hoje e amanhã, a Casa promove a atividade para passar informações sobre a administração interna, a estrutura dos gabinetes, o uso da verba indenizatória e os documentos necessários para a posse em 1º de janeiro. Também estão convidados assessores, parlamentares reeleitos e outros que já exerceram mandato e retornarão na próxima legislatura.

Principiantes
Quem chega pela primeira vez à Câmara Legislativa

» Agaciel Maia (PTC)
» Celina Leão (PMN)
» Evandro Garla (PRB)
» Israel Batista (PDT)
» Dr. Michel (PSL)
» Liliane Roriz (PRTB)
» Olair Francisco (PTdoB)
» Washington Mesquita (PSDB)
» Wellington (PSC)
» Claúdio Abrantes (PPS)*
» Joe Valle (PSB)*
 
* Já foram suplentes que acabaram exercendo o cargo de deputado

  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade