Publicidade

Estado de Minas

Policiais civis iniciam greve mesmo após decisão suspender o movimento


postado em 31/03/2011 09:50 / atualizado em 31/03/2011 10:23

Os policiais civis do Distrito Federal iniciaram, nesta manhã de quinta-feira (31/3), uma paralisação votada em assembleia realizada na terça-feira (29/3). A categoria decidiu manter a greve mesmo após a 10ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) determinar a suspensão do movimento na tarde de ontem.

Segundo o diretor de comunicação do Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol-DF), Luciano Marinho, eles ainda não foram notificados judicialmente. "Não fomos notificados pela Justiça, parece que houve um interesse de noticiar primeiro para a mídia do que para a parte realmente interessada. Não fomos notificados, desse modo, não podemos revogar uma decisão de assembleia da categoria. A greve continua", explica.

Na tarde de hoje, representantes sindicais se reúnem na sede do Sinpol-DF às 15h. O objetivo é decidir os rumos da greve e discutir a decisão judicial que suspende a greve e prevê o pagamento de multa diária de R$ 50 mil para cada dia de interrupção dos serviços de segurança pública. "Se formos notificados, vamos levar até o jurídico. A decisão é liminar podemos entrar com um recurso. Após essa reunião se acharmos por bem podemos convocar uma nova assembleia com a categoria", afirma Luciano Marinho.

Decisão
A 10ª Vara Cível do TJDFT resolveu acatar, na tarde de quarta-feira (30/3), o pedido de liminar dos promotores de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Na ação, o MPDFT pede a suspensação da greve dos policiais civis sob a pena de multa diária de R$ 50 mil. A decisão liminar ainda determina que o Sinpol deve comunicar todos os integrantes da carreira da decisão judicial, a fim de evitar a interrupção dos serviços.

Paralisação

Esta é a segunda greve dos policiais civis do DF. A categoria reivindica a reestruturação da carreira e um aumento salarial de 28%. A primeira greve do ano durou 72 horas, mas desta vez, o sindicato garante que não há um tempo determinado, vai depender das negociações com o governo federal, que é responsável pelos reajustes da carreira.

Durante o movimento, grande parte dos serviços fica suspensa. Os policiais vão atender apenas ocorrências graves e emergenciais, como homicídio, latrocínio, violência grave e Lei Maria da Penha.

  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade