Publicidade

Estado de Minas

Após reclamações de pais, escola da 404 Norte suspende momento de oração


postado em 23/08/2011 07:40 / atualizado em 23/08/2011 07:44

Antes do início das aulas, as crianças participam de um momento de agradecimento a Deus(foto: Paulo de Araújo/CB/D.A Press - 19/8/11)
Antes do início das aulas, as crianças participam de um momento de agradecimento a Deus (foto: Paulo de Araújo/CB/D.A Press - 19/8/11)
 

A direção do Jardim de Infância da 404 Norte decidiu acolher as orientações da Secretaria de Educação e interromper o momento de agradecimento a Deus que, até a semana passada, era celebrado diariamente na escola. A reclamação de alguns pais, que não concordam com a prática, motivou a suspensão das orações e, agora, o corpo docente tenta negociar com os responsáveis uma saída para o imbróglio. Está marcada para hoje uma reunião entre os pais e a Regional de Ensino do Plano Piloto na tentativa de chegar a um consenso.

Possivelmente, a oração deve permanecer suspensa porque, de acordo com o secretário adjunto de Educação, Erasmo Fortes, a atitude fere a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). A norma determina que unidades da rede pública não podem realizar nenhuma atividade religiosa. “A escola deve se abster neste momento da oração. Amanhã (hoje), a secretaria vai expor as diretrizes e negociar um acordo com os pais”, disse.

A diretora da Regional de Ensino do Plano Piloto, Roberta Callaça, diz que durante a reunião de hoje deve ouvir a versão dos pais. Os gestores da escola — coordenação e professores — foram ouvidos na semana passada e argumentaram que não existe reza, mas manifestações espontâneas dos estudantes após o momento de acolhida no início das aulas. “O aluno pode expor sua religião em frente aos colegas, o que não pode ocorrer é um direcionamento por parte da escola”, explica Roberta Callaça.

No Jardim de Infância 404 Norte, estudam 180 crianças entre 3 e 5 anos. Segundo a Secretaria de Educação, na instituição, há 180 pais divididos entre o ateísmo e outras religiões, como o budismo. Desses, oito são contra a atividade de fim religioso.

A diretora da escola, Rosimara Albuquerque, afirmou que não era necessária tanta polêmica porque o momento de agradecimento a Deus é voluntário. Segundo ela, a criança pode ou não participar e a maioria dos pais se manifestou favorável à manutenção do ato religioso por meio de um abaixo-assinado. Cento e dez assinaturas foram colhidas. “O que eu questiono é até que ponto a laicidade vai beneficiar uma minoria contra a maioria que deseja a oração para os seus filhos”, questiona a diretora da escola.

O servidor público Flávio Henrique Rocha, 32 anos, tem um filho de 5 anos no colégio e concorda com a diretora. Ele e a esposa encabeçaram a lista de assinaturas para a manutenção da oração. “Queríamos que o momento continuasse, mas depende mais da regional de ensino do que da nossa vontade. Amanhã (hoje), será dia de ouvir as diversas opiniões”, comentou.

A radialista Heliane Batista Carvalho, 40 anos, também estará presente na reunião e pretende expressar a opinião de que a escola deve transmitir valores, mas não os religiosos. Segundo ela, o filho de 4 anos chega em casa cantando músicas com o nome de Jesus. Para ela, a religião deve ser ensinada em casa. “Como fica a cabeça da criança? Uma orientação em casa, outra na escola?”, questiona.

Opinião do internauta
Leitores do Correio comentam a polêmica que envolve pais de alunos do Jardim de Infância da 404 Norte.

Geovani Pessoa
“Estado laico não é sinônimo de ateísmo. Isso quer dizer que o Estado não tem uma religião oficial. O Estado, assim como a população, é composto por pessoas que, em sua maioria, professam ser cristãos ou católicos. Como princípio democrático, não é possível prevalecer direitos da minoria sobre a maioria.”

Jaime Luiz
“Ninguém está pregando uma religião em nome do Estado. Apenas proporcionando às crianças um contato com Deus. Onde está o mal?”

Francisco Vieira
“E quem não acredita em Jesus, mas em divindades orientais, pré-colombianas, indonésias ou asiáticas? Como é que fica? Deve ser queimado na fogueira?”

Deuvay Sobrinho
“O amor não tem religião, o que importa é a mensagem passada para todas as crianças.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade